Dilma critica política tucana paulista de educação

Em seu primeiro discurso de campanha em São Paulo como candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, criticou a política educacional de progressão continuada, implantada no Estado pelo governo do PSDB. Sem citar seu principal adversário na corrida eleitoral, o ex-governador paulista e candidato tucano, José Serra, Dilma disse, em São José do Rio Preto (SP), que irá "acabar com essa história de passar criança para não se incomodar", numa referência ao programa que evita a repetência de alunos em escolas públicas. "Nós temos de nos incomodar com as crianças", completou.

GUSTAVO PORTO, Agência Estado

08 Julho 2010 | 00h19

Em um jantar para políticos e empresários, na noite de ontem, a ex-ministra da Casa Civil defendeu o processo de recuperação para os alunos como forma de atender crianças com dificuldades de aprendizado e ainda cobrou o resgate da imagem do professor. "Educação de qualidade se trata de pagar salários decentes para professores, dando a eles uma formação continuada e melhores instrumentos para que possam dar as melhores aulas", afirmou Dilma.

Antes de renunciar ao governo para se candidatar a presidente, Serra enfrentou greves de professores que questionavam, entre outros pontos, o pagamento de bônus salariais por desempenho. O candidato tucano enfrentou ainda paralisações na Universidade de São Paulo (USP). No discurso Dilma aproveitou ainda para defender o ensino técnico para o nível médio e escolas técnicas federais de nível universitário, uma das bandeiras de Serra durante seu governo em São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2010 presidenciáveis Dilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.