Dilma critica Justiça Eleitoral: não se pode 'ter dois pesos e duas medidas'

A candidata do Partido dos Trabalhadores à presidência da República, Dilma Roussef, insinuou neste sábado, 17, que a Justiça Eleitoral dá tratamentos diferentes ao analisar as ações de sua campanha eleitoral e a do candidato de oposição José Serra, do PSDB.

Paulo Reis Aruca, da Agência Estado / JALES, Agência Estado

17 Julho 2010 | 13h45

 

Lula diz que tentam impedir sua campanha por Dilma

"Acho que não se pode na vida ter dois pesos e duas medidas", disse, em Jales, no interior de São Paulo, ao ser indagada sobre a possibilidade de a subprocuradora eleitoral Sandra Cureau entrar com ação contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ter citado o nome da candidata petista durante a cerimônia de lançamento do edital do trem-bala.

Antes de observar que não costuma polemizar em torno de questões judiciais, insinuou que há tratamento diferente porque, segundo ela, o governador Alberto Goldman também tem citado o nome de José Serra nos atos oficiais do governo paulista. "Eu não vou entrar nessa polêmica com a (sub) 1procuradora. É prudente prestarmos atenção", disse.

Entretanto, afirmou que não vê como campanha o fato de o presidente ter mencionado seu nome naquela cerimônia. "Eu tenho certeza que vocês hão de convir comigo que no caso do Trem de Alta Velocidade eu fui responsável pela construção do projeto. Então, não é um elogio e sim a constatação da verdade", defendeu-se.

 

Na sexta-feira, em discurso ao lado da candidata, Lula já havia atacado indiretamente a subprocuradora. "O que eles querem é me inibir para eu fingir que não conheço a companheira Dilma. É como se eu pudesse passar perto dela, e tem uma procuradora qualquer aí, e eu passar de costas viradas e fingir que não a conheço", disse o presidente durante comício no centro do Rio.

A petista chegou com duas horas de atraso a encontro político agendado para as 10 horas da manhã, em Jales. O evento ainda está em andamento e são aguardados discursos da própria Dilma Roussef, do candidato a vice-presidente Michel Temer e do candidato a governador Aloisio Mercadante.

Mais conteúdo sobre:
eleiçãoDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.