Reprodução| Russia TV
Reprodução| Russia TV

Dilma critica governo Temer em entrevista a canal de TV da Rússia

'Como ele não foi eleito, não discutiu este programa em uma eleição, não conta com o respaldo da população', diz a presidente afastada, que cita 'absurdos, como acabar com o SUS'

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2016 | 18h18

São Paulo - Em entrevista ao canal de notícias Russia Today exibida nesta quinta-feira, 19, a presidente afastada Dilma Rousseff fez críticas aos primeiros dias de gestão do presidente em exercício Michel Temer. Segundo Dilma, o governo do PMDB “adota uma medida hoje e muda amanhã” porque não tem um programa que tenha sido testado nas urnas. De acordo com Dilma, as idas e vindas do ministério de Temer tem como objetivo “encobrir” o objetivo de aplicar um programa “mais neoliberal possível”.

Dilma falou ao serviço em língua espanhola do Russia Today na véspera, durante quase 40 minutos, no Palácio da Alvorada. É a segunda entrevista dela a um veículo estrangeiro desde que foi afastada da presidência. Além do Russia Today, a petista também concedeu entrevista ao jornalista norte-americano Glenn Greenwald, do site The Intercept.

Ao Russia Today Dilma disse que pretende viajar pelo Brasil para denunciar o “golpe” do qual teria sido vítima. “Pretendo visitar várias cidades, falar com muitas pessoas. Isso permitirá para o Brasil e para o mundo o que está acontecendo no País”, disse ela.

A presidente afastada procurou explorar as contradições que marcaram os primeiros dias do governo Temer como a declaração do ministro da Saúde, Ricardo Barros, de que o tamanho do Sistema Único de Saúde (SUS) precisa ser revisto. O ministro recuou da declaração no dia seguinte.

“Outra característica desse governo é que ele adota uma medida hoje e muda amanhã. Como ele não foi eleito, não discutiu este programa em uma eleição, não conta com o respaldo da população. Por isso este governo só fala de absurdos, como acabar com o SUS. Ele cria este tipo de conflito e, como a sociedade reage, no dia depois de falar eles mudam de postura tentando encobrir que a tendência deles é aplicar o programa mais neoliberal possível”, disse a presidente afastada.

Dilma também criticou as mudanças na política externa anunciadas pelo novo chanceler, José Serra. Segundo ela, Serra não tem compromisso com o fortalecimento dos laços com países da América Latina, África e os Brics (Brasil, África do Sul, Rússia, Índia e China). Indagada se há interferência estrangeira no impeachment Dilma afirmou que “este é um processo brasileiro; não há como atribuir a qualquer interferência externa”.

A presidente afastada ainda agradeceu às manifestações de artistas em defesa de seu mandato, especialmente à equipe do filme “Aquarius” que se manifestou durante o Festival de Cannes, na França, e criticou a extinção do Ministério da Cultura. “Não é só uma perda de direitos, é uma violação da questão nacional”, afirmou Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.