AFP
AFP

Dilma conversa por telefone com Biden, vice dos Estados Unidos

Segundo autoridades norte-americanas, os dois estão tratando de esforços conjuntos para avançar o 'diálogo e a cooperação'

Rafael Moraes Moura e Cláudia Trevisan, correspondente em Washington, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2015 | 18h45

Brasília – A presidente Dilma Rousseff e o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversaram por telefone na manhã desta sexta-feira (13), informou a Casa Branca, em nota. De acordo com as autoridades norte-americanas, Dilma e Biden conversaram sobre esforços conjuntos para avançar o “diálogo e a cooperação entre Brasil e Estados Unidos em uma série de questões, incluindo segurança, energia, comércio e cooperação global”.

“O vice-presidente reafirmou a importância estratégica da relação bilateral e enfatizou o comprometimento dele e do presidente Barack Obama em trabalhar com a presidente Dilma Rousseff para avançar os nossos crescentes interesses comuns”, comunicou a Casa Branca.

A conversa entre Biden e Dilma ocorre depois de o governo dos Estados Unidos impor uma série de sanções à Venezuela. Uma reunião extraordinária de chanceleres da União das Nações Sul-americanas (Unasul) para discutir as sanções norte-americanas foi remarcada para o próximo sábado, em Quito. A Secretaria de Comunicação Social da Presidência deve se pronunciar nos próximos minutos.

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, criticou nesta terça-feira (10) o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por decidir pessoalmente assumir a “tarefa de derrotar meu governo, intervindo na Venezuela e controlando-a dos Estados Unidos”. “Obama tomou hoje a mais agressiva, injusta e venenosa medida que os Estados Unidos jamais adotaram contra a Venezuela”, disse Maduro.

O alvo das sanções anunciadas é um grupo de autoridades do mais alto escalão do aparato de segurança do país sul-americano, responsável por reprimir protestos contra o governo, que se espalharam pela Venezuela no ano passado, e por acusar integrantes da oposição. As autoridades da lista não receberão vistos para entrar em território norte-americano e terão congelados ativos que porventura tenham no país.

ESPIONAGEM

Biden esteve no Brasil no dia 1º de janeiro para a posse de Dilma, em mais um esforço para melhorar as relações entre Brasil e Estados Unidos, estremecidas após as revelações de um esquema de espionagem da Agência Nacional de Segurança (nas) que levaram Dilma a cancelar uma visita de Estado aos Estados Unidos.

No dia 17 de junho de 2014, Dilma e Biden conversaram pessoalmente no Palácio do Planalto. Na ocasião, Biden afirmou que foi "franca e sincera" a conversa sobre o programa de monitoramento da NSA. 

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffJoe Biden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.