Dilma compara pré-sal ao 'Poço do Visconde'

A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil)evocou o livro "O Poço do Visconde", de Monteiro Lobato, aofalar sobre a descoberta da camada pré-sal e as possibilidadesque ela oferece ao país, em seu discurso nesta terça-feiradurante a cerimônia de extração do primeiro óleo do campo deJubarte. Em "O Poço do Visconde", Monteiro Lobato fala da existênciade petróleo no Brasil antes de sua descoberta, apostando nacapacidade do país de encontrá-lo e explorá-lo. Dilma defendeu que os recursos a serem obtidos com opetróleo do pré-sal se destinem à educação e à promoção social. "O que o pré-sal pode permitir é que essas pessoas passemda pobreza pelo menos para a classe média", disse em seudiscurso a ministra, que iniciou sua fala citando o "O Poço doVisconde" e a encerrou comparando o Brasil ao Sítio do PicapauAmarelo. "Acho que nós voltamos ao Sítio do Picapau Amarelo. Aquelesítio é o Brasil e a Petrobras achou petróleo atrás doceleiro", disse Dilma em alusão à passagem do livro "O Poço doVisconde" em que dona Benta pede para Emília beliscá-la quandoo petróleo começa a jorrar no terreno do sítio. Após o discurso, Dilma deixou o evento às pressas parapegar o avião e ao ser perguntada por jornalistas sobre o queachava da aliança para a sucessão de 2010 sugerida por CiroGomes, sorriu e limitou-se a dizer "Adoro o Ciro, gosto muito dele, é um grande amigo."(Reportagem de Denise Luna)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.