Dilma cogita antecipar saída do governo para campanha

Otimista, pré-candidata do PT à sucessão de Lula acha ideal desacelerar agora e deixar cargo logo em janeiro

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2009 | 21h41

Pré-candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, está tão otimista em relação ao tratamento para combater o tumor detectado em seu sistema linfático que investe nos planos políticos e admite até mesmo a possibilidade de antecipar a saída do governo para janeiro de 2010 para se dedicar exclusivamente à campanha eleitoral. Em conversas reservadas com amigos, no fim de semana, Dilma disse que, se tudo correr bem como preveem os médicos, o ideal será reforçar a maratona eleitoral a partir de janeiro, mesmo porque agora ficará difícil acumular as atividades.

 

Veja também:

Doença de Dilma deixa base aliada do governo cautelosa

Dilma fará quimioterapia para tratar um linfoma

Lula recebeu notícia de Dilma há apenas uma semana

Petistas dizem que Dilma é candidata para 2010

Número de casos de linfoma no Brasil dobrou em 25 anos

Leia a íntegra do boletim médico

 

Apesar do ânimo demonstrado por Dilma, tudo dependerá de seu estado de saúde e o assunto é tratado com extrema cautela tanto no Palácio do Planalto como no PT. O afastamento antecipado da ministra, porém, não é consenso. Enquanto alguns avaliam que ela ficará sobrecarregada se tiver de "carregar" as funções de gerente do governo com a candidatura logo após passar por um tratamento delicado de saúde, com quimioterapia, outros acreditam que sua permanência na Casa Civil até o prazo-limite ainda é a melhor vitrine para a campanha. Pela lei, a ministra deve deixar o cargo até 3 de abril de 2010, seis meses antes do primeiro turno da eleição presidencial.

 

Lula considerou "abominável" a especulação sobre a mudança de candidato do PT. Ficou ainda mais contrariado ao saber que a oposição vislumbra o PT ressuscitando a tese do terceiro mandato para ele, sob o argumento de que o partido não conta com outros nomes eleitoralmente fortes. Para o presidente, análises assim são "infundadas e desrespeitosas".

 

Licença

 

No Planalto e na cúpula do PT não há, por enquanto, nenhum plano para troca de candidato. Na quinta-feira, quando foi informado por Dilma sobre a descoberta do linfoma - tumor no sistema linfático -, Lula chegou a perguntar a ela se gostaria de tirar licença para o tratamento. A ministra respondeu que não seria necessário. Garantiu que pode manter o ritmo de trabalho e até mesmo as viagens, intercalando os compromissos com acompanhamento médico durante quatro meses.

 

"Não exagere. Cuide-se!", recomendou o presidente à chefe da Casa Civil. Considerada "caxias", Dilma trabalha em média 14 horas por dia. Cuida de assuntos tão variados como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o plano nacional de habitação e a camada do pré-sal. Nesta segunda, por exemplo, ela terá agenda cheia em Manaus, ao lado de Lula. Na segunda, também na capital do Amazonas, comandará mais uma reunião de balanço do PAC.

 

"A nossa preocupação inicial não é com a campanha, mas, sim, com o lado humano", afirmou o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). "De qualquer forma, todos os prognósticos médicos indicam que ela tem condições não só de manter sua atividade no governo como a candidatura e, no momento apropriado, vamos formalizar isso."

 

Amigo de Dilma, o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos disse não ter dúvidas de que a chefe da Casa Civil vai superar a adversidade e ser candidata do PT. Thomaz Bastos almoçou no sábado com Dilma e com o ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, logo após a entrevista coletiva concedida por ela no Hospital sírio-libanês.

 

Num restaurante da Rua Amauri, nos Jardins, a ministra recebeu a solidariedade de vários eleitores e posou para fotos até com crianças. "Fiquei com a melhor impressão dela sob o aspecto psicológico e físico. Achei que Dilma está muito animada", contou Thomaz Bastos, que em 2007 enfrentou um câncer no pulmão e hoje está completamente curado.

 

Nos bastidores, auxiliares de Lula avaliam que a divulgação da doença não só é importante para pôr fim às especulações como vai aproximar Dilma da população, "humanizando" a candidata. Mesmo enfrentando percalços nas negociações com o PMDB para compor as alianças de 2010, o governo espera que a chefe da Casa Civil atinja 20% da preferência do eleitorado até dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.