Dilma cogita abertura de capital da Infraero

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, defendeu hoje a ideia de abertura de capital da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Ela fez o comentário ao ser questionada por jornalistas, em evento no Rio de janeiro, sobre o que faria em seu governo para melhorar os aeroportos. Na prática, a intenção de Dilma seria usar recursos da iniciativa privada, em parceria com o governo, para melhorar o sistema aeroportuário do País. "Acredito que não haveria dificuldade de abrir o capital da Infraero e manter o controle (da empresa) nas mãos do Estado, como ocorre com a Petrobras", disse.

ALESSANDRA SARAIVA, Agência Estado

02 de agosto de 2010 | 17h26

Dilma comentou a necessidade de se estimular a construção de novos aeroportos fora do eixo Rio-São Paulo. Na avaliação da candidata à Presidência, seria vantajoso para Brasil ter portos regionais. No mesmo evento, Dilma foi questionada sobre os motivos das condições atuais precárias dos aeroportos, tendo em vista os oito anos de mandato do governo Lula. "Durante muito tempo, nós tivemos zero de investimentos nesse País. Conseguimos recuperar vários aeroportos, mas, em oito anos, você não faz tudo. Eu asseguro que tenho todas as condições de adequar e equalizar as conduções atuais dos aeroportos", afirmou.

Também presente ao evento, o governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, afirmou que a proposta de Dilma vai de encontro aos seus interesses. "O que a ministra propôs é muito inteligente", disse Cabral, acrescentando que a abertura de capital da Infraero permite uma gestão corporativa positiva. E completou: "É o que eu desejo, uma gestão compartilhada (entre iniciativa privada e governo)", explicou. Dilma e Cabral estiveram hoje no Comitê Olímpico Brasileiro (COB), na zona oeste do Rio, onde assistiram à proposta do Estado como sede dos jogos olímpicos de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.