Dilma cai e Serra oscila negativamente em nova pesquisa

Com entrada de Marina, pré-candidata do PT teve 4,5 pontos a menos do que no levantamento anterior

Fábio Graner, da Agência Estado

08 de setembro de 2009 | 12h37

 

BRASÍLIA - O governador de São Paulo, José Serra, lidera a corrida eleitoral para as eleições presidenciais de 2010 em todos os cenários de primeiro turno na pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira, 8. O tucano manteve os níveis de intenção de voto estáveis, enquanto a mais provável canditada da base governista, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, teve índices menores que os da última pesquisa, divulgada em maio, com a entrada da senadora Marina Silva na disputa.

 

Veja também:

linkAprovação a Lula cai de 81,5% para 76,8%, indica pesquisa CNT/Sensus

link Lula fica em 1º na pesquisa espontânea CNT/Sensus

link Pesquisa indica primeira queda de Dilma Rousseff

link Entre presidenciáveis, Aécio tem menor rejeição, diz Sensus

linkMaioria dos brasileiros é contra nova CPMF, aponta CNT/Sensus

linkBrasileiro está mais otimista, aponta CNT/Sensus

 

Na primeira simulação, composta por Serra, candidato do PSDB, por Dilma Rousseff, do PT, pela ex-senadora Heloísa Helena, do PSOL, e senadora e ex-ministra Marina Silva, agora no PV, o tucano lidera com 39,5%. Na sequência, vêm Dilma, com 19%, Heloisa Helena, com 9,7% e Marina Silva, com 4,8%.

 

Na pesquisa anterior, Serra tinha 40,4% contra 23,5% de Dilma, ou seja, estava apenas 17 pontos percentuais à frente da ministra, uma vantagem menor que a atual. O novo levantamento registrou a primeira queda das intenções de voto na candidata governista, que até então só havia acumulado crescimento desde a primeira pesquisa, em janeiro.

 

Sem a candidata do PSOL, Serra teria 40,1%, Dilma, 19,9% e Marina, 9,5%. Já em cenário com Ciro Gomes (PSB-CE) no lugar de Dilma, Serra teria 40,5%, Heloísa Helena, 10,7%, Ciro, 8,7% e Marina, 7,1%. Em outra simulação, com o deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) no lugar de Dilma e Ciro como candidato da base do governo, Serra teria 42,2%, Heloísa Helena, 10,8%, Marina Silva, 7,4% e Palocci, 7,0%.

 

Nos cenários em que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, assume o lugar de José Serra como candidato do PSDB, os tucanos têm a vantagem reduzida e até perdem a liderança contra Dilma. Contra Aécio Neves, a ministra Dilma Rousseff lidera as intenções de voto, com 23,3%, seguida pelo tucano, com 16,8%, Heloísa Helena, 13,5%, e Marina Silva, com 8,1%.

 

Em cenário construído apenas com Dilma, Aécio e Marina, a petista teria 25,6%, o tucano, 19,5% e a senadora verde, 11,2%.

 

Sem a presença de Dilma, Aécio lidera a disputa, tanto com Ciro Gomes quanto com Palocci como candidatos governistas. No primeiro caso, Aécio teria 17,6%, Heloísa Helena, 16,1%, Ciro Gomes, 12% e Marina Silva, 9,3%. Na simulação com Palocci, Aécio teria 18%, ficando empatado com Heloísa Helena (18%), Marina teria 9,8% e Palocci, 8,5%.

 

Brancos e nulos

 

A nova pesquisa da CNT/Sensus revelou que a intenção de votos brancos e nulos supera a destinada a alguns candidatos em certos cenários, mesmo com a entrada de Marina Silva na disputa, a confirmação de Ciro como pré-candidato e a clara preferência de Lula pela ministra Dilma.

 

Nos cenários em que José Serra disputa a eleição com Dilma, os votos brancos e nulos ocupam sempre a terceira posição. Sem a candidata petista, a categoria é a segunda, à frente de todos os adversários do tucano.

 

Já na ausência de Serra, os votos nulos e brancos chegam a ter o maior nível de intenção de votos em alguns cenários. Em uma das duas situações em que Dilma não enfrenta o tucano, a ministra tem uma porcentagem menor que os votos alheios à disputa. No outro caso, tem apenas 1,5 ponto percentual a mais que os votos nulos e brancos.

 

Nos cenários em que nem Serra nem Dilma disputam a presidência, a categoria tem ampla vantagem sobre qualquer um dos outros candidatos.

 

Segundo Turno

 

Nas simulações para um possível segundo turno, Serra ampliou a vantagem que tinha sobre Dilma desde a última pesquisa, divulgada em maio. O tucano teve 49,9% das intenções de voto ante 25% da ministra, enquanto na pesquisa anterior registravam índices de 49,7% e 28,7% respectivamente.

 

Na disputa com Aécio Neves, a ministra teve 35,8% das intenções enquanto o tucano, 26%. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 39,4% e Aécio, 25,9%.

 

O diretor da Sensus, Ricardo Guedes, supõe que a que a queda de Dilma nas duas simulações, com Serra e com Aécio, seja decorrente do efeito Lina Vieira, a ex-secretária da Receita Federal, que disse ter tido uma reunião com a ministra em que Dilma teria pedido para ela "agilizar" a investigação contra o filho do presidente do Senado, José Sarney.

 

A pesquisa perguntou aos entrevistados se eles ouviram falar do episódio. Do universo pesquisado, 52% disseram que não acompanharam ou não ouviram falar do assunto, enquanto 24% disseram que acompanharam e 17,5% que ouviram falar. Entre as pessoas que acompanharam ou ouviram falar do assunto, 35,9% disseram acreditar que Lina está dizendo a verdade e 23,6% afirmaram que Dilma está dizendo a verdade. O restante informou não saber ou não quiseram responder.

 

Nas simulações de segundo turno com Ciro Gomes no lugar de Dilma, o governador José Serra aparece com 51,5% das intenções de voto, enquanto Ciro tem 16,7%. Na pesquisa anterior, Serra tinha 51,8% e Ciro, 19,9%.

 

Num eventual cenário em que disputam Ciro e Aécio, o candidato governista tem 30,1% das intenções e o tucano, 24,2%. Na anterior, Ciro tinha 34,1% e Aécio 27,9%. No cenário em que Palocci é o candidato governista, Serra teria no segundo turno 54,8% e Palocci, 11,3%. Com Aécio, Palocci teria 17,5% contra 31,4% do governador mineiro.

 

A pesquisa CNT/Sensus foi feita com dois mil entrevistados em 136 municípios de 24 Estados das cinco regiões do País. A margem de erro é de até 3 pontos porcentuais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.