Dilma atua como 'leoa' contra a inflação, diz Carvalho

Secretário-geral da Presidência defende política econômica do governo durante as comemorações do Dia do Trabalho, em São Paulo

Isadora Peron, de O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2013 | 15h43

O secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse nesta quarta-feira, 1, após ouvir críticas ao governo federal durante as comemorações do Dia do Trabalho em São Paulo, que a presidente Dilma Rousseff age como uma "leoa" contra a inflação. A alta dos preços foi a principal crítica feita à Dilma durante o 1º de Maio Unificado, evento organizado pela Força Sindical em parceria com outras centrais.

 

"Não é verdade que a inflação vai subir. Ela teve, sim, um pico nos últimos meses, mas agora ela começou a cair. A presidenta Dilma zela como uma leoa em defesa dos trabalhadores para que a inflação não coma os nossos salários", disse Carvalho.

Presidente da Força, o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), tem sido um dos aliados mais críticos ao governo. Nesta quarta, ele defendeu o início de uma campanha pela volta do chamado gatilho salarial, mecanismo pelo qual os reajustes salariais ocorreriam toda vez que a inflação ultrapasse os 3%. Em seu discurso, disse que todos os trabalhadores já haviam sentido no bolso a inflação e chegou a afirmar que "ninguém aguenta mais a Dilma". O PDT ainda não definiu se vai apoiar a reeleição da presidente, apesar de o Ministério do Trabalho ser ocupado hoje por um membro da sigla (Manoel Dias).

 

O senador Aécio Neves, provável candidato do PSDB à Presidência em 2014, também aproveitou a sua participação no evento para abordar o tema. Segundo ele, a presidente Dilma é leniente com a inflação. "A maior conquista dos brasileiros (a estabilidade econômica) está sendo colocada hoje em risco pela leniência do governo do PT com a inflação", afirmou. Ele, no entanto, disse ser contrário à volta do gatilho salarial, proposta por Paulinho.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.