Kena Betancur/Efe
Kena Betancur/Efe

Dilma atrasa saída de Nova York para ver exposição no MoMA

A pedido da presidente, museu permitiu visita antecipada à mostra de René Magritte, sem despertar a curiosidade da imprensa ou de turistas

Atualizado às 11h15, Tânia Monteiro - Enviada especial

26 de setembro de 2013 | 10h17

Nova York - Uma vista ao Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA, atrasou o retorno da presidente Dilma Rousseff ao Brasil, nesta quinta-feira, 26. Dilma quis ver a exposição do artista belga René Magritte. A visita foi sigilosamente preparada.

A mostra "Magritte: O Mistério do Ordinário, 1926-1938" só será aberta ao público no fim de semana, mas o cerimonial da presidente combinou com a direção do museu a ida antecipada e ela pôde ver, sem despertar curiosidade de turistas ou jornalistas, as 80 pinturas, colagens e fotos do artista.

"Ela queria ver a exposição do René Magritte", confidenciou um interlocutor da presidente, que pediu anonimato. Todos estavam proibidos de fazer qualquer revelação à imprensa sobre a ida ao museu, que permitiu uma visita mais reservada.

Pelo segundo dia seguido, Dilma conseguiu escapar da imprensa e andar normalmente por Nova York, como se fosse uma turista qualquer. Na terça-feira, depois de falar na ONU, Dilma dispensou o aparato de carros oficiais e saiu a pé pelas ruas da cidade, também para almoçar com seus convidados. "Foram só cinco quadras", contou a presidente depois, ao ser questionada sobre a sensação de andar pelas ruas sem ser importunada.

Quando Dilma foi à Índia, em março do ano passado, o Taj Mahal, o mais conhecido monumento do país, foi fechado por duas horas para recebê-la. Na Itália, em março deste ano, a presidente também aproveitou a viagem oficial em razão da primeira missa do papa Francisco para visitar o museu Scuderie del Quirinale, no centro de Roma.

Antes da ida ao MoMA, Dilma almoçou com sua comitiva em um restaurante da cidade, depois de discursar para investidores que pretende levar para participar dos leilões para concessões de empresas no Brasil e de ter obtido repercussão positiva de seu discurso na mídia internacional.

Com o almoço e o passeio pelo museu, Dilma atrasou da viagem de volta em mais de quatro horas. A presidente desembarcou em Brasília somente às 4 horas desta quinta-feira. Ela descansa no Palácio da Alvorada e não tem agenda para esta manhã.

Mais conteúdo sobre:
DilmaNYretorno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.