Dilma assina acordos bilaterais com Chile

A presidente da República Dilma Rousseff assina, neste sábado, acordos bilaterais com o Chile nas áreas de cultura, educação e cooperação científica na Antártica. Durante café da manhã no Palácio de La Moneda, em Santiago, Dilma e o presidente do Chile, Sebastían Piñera, farão uma revisão da agenda bilateral entre Brasil e Chile e assinarão os acordos.

SUZANA INHESTA - SUZANA.INHESTA@ESTADAO.COM, Agência Estado

26 de janeiro de 2013 | 09h05

As trocas comerciais entre os dois países cresceram quase 50% entre 2006 e 2011, passando de US$ 6,78 bilhões para US$ 9,98 bilhões. O Brasil é o segundo país com maior estoque de investimentos chilenos, na casa de US$ 12 bilhões. Dilma está na capital chilena para participar da 1ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) - União Europeia (EU), que marca sua primeira viagem internacional no ano.

Participarão também da Celac outros chefes de Estado, como a argentina Cristina Kirchner, o mexicano Enrique Peña Nieto, que tomou posse em dezembro passado, e a chanceler alemã Angela Merkel.

Ainda neste sábado, a Celac discutirá com a União Europeia uma nova agenda de cooperação inter-regional. De acordo com o Ministério de Relações Exteriores, será adotado, durante a cúpula, o Plano de Ação Celac-UE para o biênio 2013-2014. Além da reunião entre chefes de Estado, também serão realizados encontros de acadêmicos, empresários e parlamentares das duas regiões.

A data do retorno da presidenta ao Brasil ainda não está confirmada. De acordo com a Presidência, o embarque de volta poderá ser feito neste sábado à noite ou no domingo pela manhã. Na segunda-feira, no fim da tarde, Dilma abre o Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas - Municípios Fortes, Brasil Sustentável, que deve receber cerca de 20 mil gestores municipais e assessores em Brasília. As informações são da Agência Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.