Dilma apresentará propostas para plebiscito nesta terça

TSE deve responder no mesmo dia sobre o prazo para a realização da consulta, segundo a presidente

Rafael Moraes Moura , Agência Estado

01 de julho de 2013 | 20h41

Com a popularidade em queda livre e ameaças surgindo dentro da própria base aliada, a presidente Dilma Rousseff confirmou nesta segunda-feira que o plebiscito sobre reforma política, que ela irá sugerir à Câmara e ao Senado nesta terça, 2, tratará de questões referentes a financiamento de campanha e ao padrão de voto vigente.

Dilma, no entanto, destacou que outros temas poderão ser incorporados e não deu garantia do prazo para a realização do plebiscito - questão que, segundo ela, caberá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidir.

Questionada sobre quais questões entrarão no plebiscito, Dilma respondeu: "Basicamente - não é que essas serão as únicas sugestões - (o plebiscito) diz respeito ao financiamento das campanhas e ao padrão eleitoral, melhor dizendo, padrão de voto vigente, distrital, misto, a esse tipo de questão."

De acordo com a presidente, o Palácio do Planalto não vai dar sugestão de perguntas, porque "não somos nós que fazemos as perguntas. As perguntas ficam entre o Senado e a Câmara de um lado e o próprio Tribunal Superior Eleitoral de outro, que formata as perguntas".

"Amanhã enviamos nossa sugestão no sentido de um plebiscito, apontando em linhas gerais as balizas que julgamos as mais importantes. Isso não significa que outras balizas e outros nortes não poderão aparecer", disse Dilma, que convocou uma rara coletiva de imprensa para falar com jornalistas.

De acordo com Dilma, também nesta terça o TSE deverá responder sobre o prazo para a realização do plebiscito. "Não temos como definir isso (o prazo), depende do prazo que der o TSE e do Senado e da Câmara, é uma pergunta que está prejudicada no sentido de que eu não tenho governabilidade sobre essa questão", disse.

Criticada por partidos da oposição e por lideranças da própria base por optar por um plebiscito, e não um referendo, Dilma saiu em defesa da forma escolhida para a consulta popular. "É importante ouvir uma questão que é a busca não só de um governo voltado pro povo, mas um governo que quer que o povo participe, enseja a participação popular, daí por que a proposta de consulta popular tem um sentido de transferir para a população o direito de ser consultada. O povo deve ser consultado", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaplebiscito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.