Estadão
Estadão

Dilma apresenta a Michel Temer desenho da reforma ministerial

Vice, no entanto, não quis fazer indicações de nomes para a Esplanada; PMDB detém seis pastas

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

21 de setembro de 2015 | 13h54

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff conversou nesta segunda-feira (21) pela manhã com o vice-presidente Michel Temer, que comanda o PMDB, para apresentar o desenho da reforma ministerial e tratar dos cortes no Orçamento. De acordo com informações obtidas pelo Estado, Temer não quis fazer indicações de nomes para os ministérios. Foi a primeira conversa que ele manteve com Dilma desde que voltou da viagem à Rússia, na quinta-feira. O encontro reservado entre os dois ocorreu antes da tradicional reunião da coordenação política do governo.

O PMDB detém hoje seis ministérios (Minas e Energia, Agricultura, Turismo, Aviação Civil, Pesca e Portos) e pelo menos duas pastas sob seu controle serão fundidas. Para reduzir o tamanho da máquina pública, Dilma planeja juntar Agricultura e Pesca e também Aviação Civil e Portos.

Na tentativa de compensar o PMDB, porém, a presidente quer transferir para o partido o comando de outros ministérios. Um das pastas em estudo seria a de Comunicações, atualmente chefiada por Ricardo Berzoini (PT), que passará a cuidar da articulação política do Palácio do Planalto.

Dilma precisa do apoio do PMDB para barrar eventuais processos de impeachment no Congresso, para aprovar o pacote fiscal e também para impedir que os parlamentares derrubem os vetos presidenciais da chamada “pauta bomba”, que aumentam os gastos do governo.

Em sua estreia como coordenador político, ao lado de Giles Azevedo, assessor especial da Presidência, Berzoini vai se reunir nesta segunda-feira à noite, no Planalto, com líderes da Câmara e do Senado para discutir as votações da semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.