Dilma anuncia R$ 400 milhões para transporte em Maceió

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira, 18, que o governo federal investirá R$ 400 milhões na cidade de Maceió (AL) como parte do PAC 2 Mobilidade Urbana. "Maceió compartilha uma necessidade de todo o Brasil, de melhorar seu transporte coletivo", disse, em cerimônia na capital alagoana.

GABRIELA LARA, Agência Estado

18 de fevereiro de 2014 | 18h49

De acordo com a presidente, os recursos serão usados para a construção de dois corredores de ônibus e dois Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs). "Vamos trazer o que há de melhor pra cá, que é o VLT", afirmou, descrevendo o VLT como um meio de locomoção rápido e seguro. A presidente também disse que seriam feitos oito funiculares em parceria com a Prefeitura e o governo do Estado.

Segundo Dilma, o governo federal está "lentamente fazendo uma reforma urbana" no País. "O Brasil precisa investir nas suas cidades antes que elas tenham níveis de problemas similares às grandes metrópoles do mundo", revelou. De acordo com a presidente, o objetivo é construir um modal de transporte integrado no País, unindo ônibus, metrô e trens urbanos.

"Com isso, introduziremos progressivamente nas cidades brasileiras o chamado bilhete único, que é muito bem-sucedido em outras parte do mundo." A presidente ainda falou que o melhor destino que se pode dar aos recursos do governo é devolvê-lo para o povo, de forma a atender às necessidades da população "com qualidade".

Embora o transporte coletivo não seja de responsabilidade do governo federal, Dilma disse que a União precisa dar suporte à atividade. "Por isso, estamos colocando R$ 143 bilhões em transporte coletivo no Brasil inteiro", disse.

Canal do sertão

No mesmo discurso, Dilma lembrou que o governo federal concedeu recursos para o Canal do Sertão Alagoano, que leva água a áreas do semiárido nordestino. "Acreditamos que esse canal muda a forma de produzir. Onde antes só tinha seca, pedra e pouca vida, começa a surgir o verde."

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaAlagoas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.