Dilma anuncia na próxima semana seus 'ministros palacianos'

Segundo fonte, presidente eleita estabeleceu cronograma para anúncio de equipe de governo

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado,

25 de novembro de 2010 | 13h11

BRASÍLIA - Uma fonte próxima à presidente eleita, Dilma Rousseff, afirmou à Agência Estado que ela deve anunciar na próxima semana os nomes dos chamados "ministros palacianos". O cronograma esboçado por Dilma previa, inicialmente, o anúncio da equipe econômica e, na sequência, dos nomes com assento no núcleo duro do governo.

 

Veja também:

link Lula reafirma confiança 'total e absoluta' em Dilma

 

As peças ainda estão sendo dispostas no tabuleiro. Já é dada como certa a ida do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, para a Casa Civil, enquanto o nome de Gilberto Carvalho é cogitado para assumir a Secretaria Geral da Presidência. O esboço formulado por Dilma - que ainda pode sofrer modificações - mantém a pasta de Relações Institucionais sob o comando do ministro Alexandre Padilha.

 

A se confirmar esse desenho, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, já certo na nova equipe de ministros, assumiria uma pasta fora do Palácio do Planalto. A bolsa de apostas acomoda Bernardo na Previdência Social ou na Saúde.

 

Dilma gostaria de manter Bernardo próximo a ela no Planalto, mas tem dificuldades de recusar eventual pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para nomear Gilberto Carvalho para a Secretaria Geral. Carvalho assumiria com traquejo as funções de Luiz Dulci na interlocução com movimentos sociais. Durante a campanha, coube a ele, que é o atual chefe de Gabinete de Lula, o diálogo com a Igreja Católica, no auge das especulações de que Dilma, se eleita, defenderia a liberação do aborto.

 

Após o anúncio dos palacianos, a etapa seguinte prevê a divulgação dos chamados "ministros de Estado": Justiça, Defesa e Relações Exteriores. O nome do deputado José Eduardo Cardozo é quase certo para assumir a pasta da Justiça. Ele já foi convidado para integrar o ministério, mas ainda não tem a confirmação de que sucederá ao ministro Luiz Paulo Barreto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.