Dilma anuncia mais rapidez na liberação de recursos ao PAC

No entanto, ministra reconhece que há falhas no processo do programa e que governo trabalha para corrigi-las

Adriana Fernandes, do Estadão,

03 de outubro de 2007 | 13h10

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta quarta-feira, 3, que o governo está acelerando o processo de empenho de recursos para as obras previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "Estamos antecipando os riscos e tomando as medidas mais rapidamente", afirmou durante o 1º Seminário Nacional de Orçamento Público, em Brasília. Dilma declarou que o governo está trabalhando para diminuir de forma cada vez mais rápida os riscos que atrasam o andamento dos projetos e as obras do PAC. Segundo ela, esse movimento está sendo feito com a gestão de monitoramento diário, pela área técnica do governo, das obras incluídas no programa. "O PAC faz gestão de risco. Não é gestão de obras. A gestão olha onde estão os riscos de interrupção dos projetos", explicou. Como exemplo das dificuldades, ela citou a obra do gasoduto Campinas-Rio, que corre o risco de atrasar por causa da ação de um advogado, dono das terras por onde terão que passar 630 metros do duto. O advogado entrou com recurso contra a obra, considerada estratégica pelo governo. "No meio do caminho, tem um advogado", brincou a ministra. Na defesa do PAC, a Dilma afirmou que o programa não é uma operação de marketing: "Ele existe e está sendo completado. O PAC não inventa a roda. Ele trabalha com as rodas existentes, mudando um pouco a direção", ressaltou. A ministra reconheceu, no entanto, que há falhas e que o governo está trabalhando para corrigi-las. "É verdade que há falhas. É verdade que nós temos que melhorar. É verdade que isso significará necessariamente uma série de medidas", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
PACDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.