Dilma almoça com chefes de Estado na abertura da Copa

A presidente Dilma Rousseff convidou os chefes de Estado e de Governo que já confirmaram presença e estarão no Brasil para a abertura da Copa do Mundo, no dia 12 de junho, para um almoço em São Paulo. Será uma espécie de recepção que a presidente pretende oferecer aos convidados. Em seguida, todos irão para o estádio Itaquerão, assistir à abertura da Copa do Mundo de Futebol.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

06 Junho 2014 | 04h00

Dilma desistiu de ir à Salvador, no dia 16 de junho, para acompanhar a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, no jogo entre Alemanha e Portugal, na Arena Fonte Nova, na primeira rodada do Grupo G da Copa do Mundo. O encontro entre Angela Merkel e Dilma será em Brasília, na noite do dia 15, quando, a princípio, a presidente oferecerá um jantar no Palácio da Alvorada à chanceler alemã.

De acordo com o Planalto, confirmaram presença durante o período dos jogos da Copa do Mundo: a chanceler Angela Merkel, da Alemanha; Felipe e Matilde, rei e rainha da Bélgica; Elio di Rupo, primeiro-ministro da Bélgica; Guilherme Alexandre, rei da Holanda; Joe Biden, vice-presidente dos Estados Unidos; Zoran Milanovic, primeiro-ministro da Croácia; o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon; Alberto II, príncipe de Mônaco; e Tamin bin Hamad al-Thani, Emir do Catar.

Também estão confirmados os presidentes Vladimir Putin, da Rússia; José Mujica, do Uruguai; Michele Bachelet, do Chile; Rafael Correa, do Equador; John Dramani Mahama, de Gana; Juan Orlando Hernandez, de Honduras; Desire Bouterse, do Suriname; José Eduardo dos Santos, de Angola; Evo Morales, da Bolívia; Horácio Cartes, do Paraguai; Uruhu Kenyatta, do Quênia.

A presidente Dilma convidou todos os presidentes dos países integrantes do Mercosul para a abertura da Copa. A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, ainda não confirmou presença.

Para o encerramento da Copa, estarão presentes também os presidentes dos países integrantes dos Brics (grupo que, além do Brasil, tem Rússia, Índia, China e África do Sul). No início do ano, o presidente da China, Xi Jinping, pediu e o governo brasileiro concordou em adiar a reunião do grupo de abril para o fim de junho, logo depois da Copa do Mundo. Xi Jinping pediu a mudança porque quer aproveitar a viagem ao Brasil para assistir à final do torneio. Com isso, os demais presidentes também deverão estar na final da Copa do Mundo, no Rio de Janeiro, dia 13 de julho. Depois, no dia 15 de julho, todos estarão em Fortaleza para a reunião dos Brics.

Mais conteúdo sobre:
dilmacopachefes de estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.