Dilma agradece Lula e diz que governará com 'espírito de união'

Presidente discursou após receber faixa presidencial do antecessor.

Rafael Spuldar, BBC

01 de janeiro de 2011 | 19h27

A presidente disse que cuidaria com 'carinho dos mais frágeis'

Após receber a faixa presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff agradeceu seu antecessor e disse que assume o governo com "espírito de união".

"Trabalharei para que estejamos unidos pelas mudanças necessárias na educação, na saúde e segurança e, sobretudo, na luta para acabar com a pobreza e miséria", disse a presidente.

O discurso foi proferido pouco após Dilma ter sido empossada, no Congresso Nacional, como a primeira mulher presidente do Brasil.

Dilma afirmou que suceder Lula era um desafio e que, para honrar seu legado, teria de consolidar e ampliar os avanços sociais conquistados nos últimos anos.

Ela se disse "muito emocionada pelo encerramento do mandato do maior líder popular que o país já teve".

"A alegria que sinto pela posse, como presidenta, se mistura pela emoção de sua despedida. Mas Lula está conosco. Sei que a distância do cargo nada significa para um homem de tamanha grandeza e generosidade."

Antes, no Congresso, a presidente afirmara que "a luta mais obstinada" de seu governo seria a erradicação da miséria no país. Segundo ela, sua eleição "dignificava cada mulher brasileira".

José Alencar

Assim como em discurso proferido logo após tomar posse, no Congresso, Dilma elogiou o ex-vice-presidente José Alencar, que acompanhava a cerimônia do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde está internado.

"Que exemplo de coragem e amor à vida nos dá esse grande homem, e que parceria Zé Alencar e Lula fizeram pelo Brasil e pelo nosso povo."

A presidente disse que cuidaria com "carinho dos mais frágeis e necessitados" e que governaria para todos os brasileiros.

"Minhas mãos vão estar abertas e estendidas para todos, desde nossos aliados de primeira hora até os que não nos acompanharam no processo eleitoral".

'Sem rancor'

Dilma se referiu também colegas dos tempos em que militou contra a ditadura e disse não carregar "nenhum ressentimento e nenhuma espécie de rancor" do período.

"Aos companheiros meus que tombaram no caminho, minha homenagem e eterna lembrança."

Ao citar a meta de "continuar crescendo, gerando emprego para atuais e futuras gerações", a presidente fez uma pausa para enxugar lágrimas.

"O povo brasileiro e o nosso país tem condições hoje de se transformar no maior e no melhor país pra se viver", concluiu, ao fim do discurso.

Despedida de Lula

Uma multidão acompanhava o discurso do lado de fora do palácio. Muitas pessoas empunhavam bandeiras de vários Estados e municípios brasileiros, e outras vestiam camisetas do PT e de partidos aliados.

Após o pronunciamento, Dilma recebeu cumprimentos de autoridades estrangeiras, como a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, e os presidentes Hugo Chávez (Venezuela), José Mujica (Uruguai) e Sebastián Piñera (Chile).

Em seguida, de braços dados com Lula, caminhou até a rampa do Palácio do Planalto, onde se despediu do antecessor.

Após a despedida, Lula causou grande agitação ao se dirigir ao público que assistia à cerimônia, onde permaneceu por vários minutos.

De lá, ele prosseguiu até a base aérea com sua mulher, Marisa Letícia, onde embarcaram em um avião para São Paulo.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
dilma rousseffpresidenciadilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.