Dilma agradece ao Chile por receber perseguidos políticos 'do seu governo' durante a ditadura

Presidente ignorou que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-governador de São Paulo José Serra também se exilaram em terras chilenas

Tânia Monteiro, enviada especial,

26 de janeiro de 2013 | 14h08

Em declaração à imprensa durante a visita oficial feita ao Palácio La Moneda, na presença do presidente Sebastian Piñera, a presidente Dilma Rousseff, fez um "agradecimento especial" ao Chile por ter recebido em seu país, durante a "ditadura militar no Brasil", "integrantes do seu governo", ignorando que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-governador de São Paulo José Serra também se exilaram em terras chilenas.

 

"Muitos membros do meu governo viveram aqui no período da ditadura militar no Brasil e, por isso, nós sabemos que os nossos laços, além desses e de todos os históricos que nos unem, eles estão muito além de simplesmente laços econômicos e, sobretudo, são relativos a laços humanos, a laços pessoais, que nós construímos no correr do tempo histórico em que nossos países se relacionaram", afirmou.

 

A presidente Dilma defendeu ainda a necessidade dos países da região se unirem economicamente para enfrentar a crise "lançada " ao mundo "pelos países desenvolvidos". Ela destacou a importância da realização da Cúpula que integra os cerca de 60 países da América Latina e Caribe, com os da União Europeia, neste momento, para fortalecer este comércio entre as duas regiões e disse que, para alcançar isso, "a integração regional é fundamental".

 

Citou também a necessidade de criação de um corredor interoceânico por meio de rodovias e ferrovias entre Chile e Brasil, permitindo que haja uma ligação com a Ásia. Animada com a integração, Dilma avisou: "nós podemos mais" . A presidente classificou o Chile como "grande parceiro comercial e na área de investimentos".

 

"Amizade sem limites, vira agora amizade sem fronteiras", afirmou Dilma em sua declaração à imprensa, depois de ouvir Piñera ressaltar essa união entre os dois países. Dilma classificou ainda para comemorar que a região em que vivemos está livre de conflitos. "Nós vivemos numa região do mundo onde nós não temos conflitos étnicos, nós não temos guerras e nós resolvemos os nossos conflitos através do diálogo. Isso torna construir essa área de harmonia na nossa região uma questão relevante, uma questão que eu acho que se torna até símbolo para o resto do mundo", salientou a presidente.

 

Ao falar dos acordos assinados, a presidente Dilma fez questão de agradecer ao Chile a cooperação dada ao Brasil durante o período em que a base brasileira na Antártida foi destruída por um incêndio, em fevereiro do ano passado. "Nós agradecemos essa cooperação ao Chile, principalmente diante da importância para o Brasil dessa cooperação, diante dos fatos que aconteceram na nossa base", comentou a presidente, após destacar "imenso potencial de cooperação nas áreas de ciência e tecnologia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.