ERIC FEFERBERG | AFP
ERIC FEFERBERG | AFP

Dilma afirma ter ficado ‘perplexa’com prisão de líder

Em Paris, presidente faz primeiro comentário público sobre a prisão do senador Delcídio Amaral e nega, outra vez, relação com Cerveró

Andrei Netto, correspondente, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2015 | 07h31

Paris - A presidente Dilma Rousseff declarou ontem, em Paris, que ficou “perplexa” com a prisão do senador Delcídio Amaral (PT-MS), líder do governo no Senado, na semana passada. Foi a primeira vez que ela falou publicamente sobre o tema. Ela voltou a afirmar que não indicou o ex-diretor de Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró para ocupar o cargo na estatal e alegou que “não sabia de tudo” sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA).

“Obviamente, fiquei bastante surpresa com a prisão do senador Delcídio”, disse a presidente durante a 21.ª Conferência do Clima (COP21) em Paris. Ela acrescentou que não teme o que o parlamentar possa dizer em uma eventual delação premiada. “Não tenho nenhum temor com a delação do senador Delcídio. Fiquei perplexa porque jamais esperei que pudesse acontecer com o senador Delcídio”, acrescentou.

A presidente disse que a prisão de Delcídio gera um impacto pelas boas relações que o parlamentar tinha com a base aliada e com a oposição, mas que o governo segue em frente. “O senador Delcídio era de fato uma pessoa bastante bem relacionada no Senado. Nós o escolhemos porque ele era bem relacionado, inclusive com a oposição”, afirmou. “Mas, infelizmente, nenhum de nós é insubstituível. As questões com o Congresso vão se dar normalmente, (o Congresso) vai desempenhar sua função em relação à economia do País, às suas funções no País”, ressaltou a presidente.

Na minuta da delação premiada do ex-diretor da Petrobrás, há anotações do executivo à mão dizendo que a presidente Dilma “sabia de tudo de Pasadena”.  A aquisição da refinaria é investigada por suspeita de superfaturamento e evasão de divisas. “Eu não indiquei Nestor Cerveró para a diretoria da Petrobrás. Eu acredito que o senador Delcídio se equivoca. Ele não é minha indicação, ele não é da minha relação, e isso é público e notório”, afirmou.

Questionada se sabia das suspeitas de irregularidades do processo de compra da refinaria, a presidente disse: “Não só eu não sabia de tudo, como foi detectado – e isso todos os conselheiros que estavam comigo no Conselho da Petrobrás podem atestar – que quando soubemos que ele não havia dado todos os elementos para nós, eu fui uma pessoa que insistiu para ele sair”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.