Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Dilma afirma que Petrobrás 'limpou o que tinha de limpar'

Em evento de entrega de moradias do Programa Minha Casa Minha Vida, presidente sai em defesa da estatal e afirma que empresa 'não só deu a volta por cima como ela hoje mostrou a que veio'

Carla Araújo e José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

09 Abril 2015 | 12h20

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff aproveitou uma cerimônia de entrega de 500 moradias do programa Minha Casa Minha Vida, em Duque de Caxias (RJ), para fazer um discurso em defesa da Petrobrás, que tem sido alvo de investigações de corrupção na Operação Lava Jato. "A Petrobrás está de pé. A Petrobrás limpou o que tinha de limpar. Tirou aqueles que tinha de tirar lá de dentro, que se aproveitaram das suas posições para enriquecer seus próprios bolsos", disse. "Mas ela continua de pé", completou. 

Dilma destacou que o governo investiu R$ 1,6 bilhão na Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e disse "aos que têm a vida ligada à questão da nossa grande empresa nacional", que hoje a Petrobrás já "não só deu a volta por cima como ela hoje mostrou a que veio". 

Em alguns momentos interrompendo o discurso para bater palmas junto com a plateia, Dilma disse que a estatal "superou essa fase e agora vai tomar o rumo". Dilma disse ainda que a empresa tem de ser motivo de orgulho para todos os brasileiros e que "defender a Petrobrás é defender o Brasil". "Não se deixem enganar. É uma empresa que vai nos dar muito orgulho, mais do que ela nos deu até hoje", afirmou. 


A presidente destacou que a estatal bateu recorde de produção e que o mundo reconhece a capacidade de inovação da empresa. "Diziam que ela não ia conseguir produzir petróleo do pré-sal e conseguimos 700 mil barris em tempo recorde", disse, destacando que nos próximos dias a estatal receberá um prêmio em Houston (EUA), referindo-se ao prêmio OTC Distinguished AchievementAward for Companies, Organizations, and Institutions, que a estatal receberá pelo conjunto de tecnologias desenvolvidas para a produção da camada pré-sal.

No encerramento do discurso, Dilma fez uma analogia da seleção brasileira de futebol com a empresa e disse que se a "seleção é a pátria de chuteiras, a Petrobrás é a pátria de macacão e mãos sujas de óleo", disse. 

Articulação política. A presidente ainda saiu em defesa da escolha do vice-presidente Michel Temer para articulação política do governo e disse ter certeza de que ele "tem todas as condições" para a tarefa. "Tem a autoridade de ser vice. Tem a experiência da vida dele, foi presidente da Câmara Federal em uma oportunidade muito recente", destacou. "E de outro lado tem uma imensa capacidade para o diálogo, para construir consenso, para construir toda relação que é necessária, construir com uma coalizão da envergadura na nossa", afirmou aos jornalistas, em entrevista após evento de entrega de moradias do Minha Casa Minha Vida, no Rio.

Dilma disse ainda que Temer, "assim como qualquer outra pessoa que integra o governo, leva em consideração que nossa base é integrada por diversos partidos". Segundo ela, Temer não é uma pessoa estranha ao governo. "Ele é do coração do governo. Ele vive o dia a dia", afirmou. 

A presidente destacou ainda que o vice já tem autonomia dada pelo cargo. "Dado que nossos compromissos são comuns, a autonomia está dada pelo fato de que ele integra o governo", disse. Temer, que é presidente nacional do PMDB, ainda enfrenta desconfiança dentro do próprio partido, principalmente em relação à "autonomia" que terá para desempenhar o papel de articulador político. Lideranças do partido da Câmara e do Senado demonstraram na quarta-feira, já na estreia dele na nova função que, se depender de sua própria legenda, ele não terá facilidades para conduzir o processo de negociação com o Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.