José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Dilma afirma que inflação está sob controle

Presidente e candidata do PT volta a falar de economia em discurso em Montes Claros, norte de Minas

Leonencio Nossa - Enviado Especial a Montes Claros (MG), O Estado de S. Paulo

02 de agosto de 2014 | 00h37

Em um comício de campanha pela reeleição realizado na noite desta sexta-feira, 1º, a presidente Dilma Rousseff afirmou que a inflação está sob controle. "Não acreditem que o Brasil está numa situação de crise na proporção que eles falam. A inflação está sob controle", afirmou. O discurso foi feito num palanque montado na praça da Igreja Matriz de Montes Claros, na região norte de Minas Gerais.

A última pesquisa da inflação oficial, porém, mostrou o contrário. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,4%, tendo acumulado em 12 meses alta de 6,52%. O porcentual é acima do teto da meta do governo para o ano, de 6,5%.

Dilma disse que, enquanto no resto do mundo, a partir de 2008, 60 milhões de pessoas perderam o emprego, no Brasil, 1,5 milhão entraram no mercado de trabalho. "A renda do trabalhador crescer aqui. No exterior, há desemprego e recessão. Esse  método de combate à crise nós rejeitamos", afirmou a presidente.

Pouco antes de Dilma falar, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os adversários, numa referência aos tucanos, têm por prática controlar a inflação causando o desemprego. "Ela (Dilma) consegue controlar a inflação e manter o emprego", afirmou. "Nem os quatro anos do governo da Dilma e os oito anos do meu governo são suficientes para melhorarmos a vida do povo brasileiro", disse. "Em 12 anos, não para consertamos o que eles fizeram em 500 anos."

Ainda se recuperando de problemas de saúde e com voz rouca, Lula não demonstrou a mesma empolgação do tempo em que era presidente. Ele não escondeu o cansaço e certa irritação no comício promovido pelo empresário Josué Gomes da Silva, filho do ex-vice-presidente José Alencar, que disputa o cargo de senador.

Em um trecho de seu discurso, Lula fez referências à crise do mensalão em 2005. "O Zé Alencar foi a sustentação do meu governo. Quando os golpistas tentaram me tirar do governo, em 2005, não foram adiante porque tinham medo do Zé Alencar ser mais esquerdista do que eu", contou. O que Lula não relatou foi que a crise política foi o momento em que ele e Alencar estiveram mais afastados. Na época, o ex-presidente chegou a comentar para pessoas próximas suas suspeitas em relação ao vice.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.