Dilma adota tom conciliador para área agrícola

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, adotou em seu primeiro discurso após a posse um tom conciliador em relação aos empreendimentos de várias atividades econômicas. Com a agricultura não foi diferente, evitando conflitos entre negócios empresariais e familiares e também do campo com o meio ambiente. "O apoio aos grandes exportadores não é incompatível com o incentivo à agricultura familiar e ao microempreendedor", disse.

CÉLIA FROUFE, Agência Estado

01 de janeiro de 2011 | 17h50

Os assuntos ligados ao setor rural foram citados em nove parágrafos de seu primeiro pronunciamento. "Para dar longevidade ao atual ciclo de crescimento é preciso garantir a estabilidade dos preços e seguir eliminando as travas que ainda inibem o dinamismo de nossa economia, facilitando a produção e estimulando a capacidade empreendedora de nosso povo, da grande empresa até os pequenos negócios locais, do agronegócio à agricultura familiar."

A presidente também enfatizou a necessidade de valorização do desenvolvimento regional e citou que é preciso dar condições à produção agrícola do Centro-Oeste. "Não vou descansar enquanto houver brasileiros sem alimentos na mesa", afirmou.

Em relação às exportações, Dilma destacou que a competitividade da agricultura e da pecuária "merecerá toda nossa atenção" e salientou que essas áreas fazem do Brasil um grande exportador de produtos de qualidade para todos os continentes. Ela também disse que o País não fará concessões ao protecionismo dos países ricos.

Ambiente

A presidente mencionou ainda a produção de etanol como fonte de energia limpa. Segundo ela, o combustível proveniente da cana-de-açúcar contará com "grande incentivo" no novo governo, assim como fontes alternativas: biomassa, eólica e solar.

"Somos e seremos os campeões mundiais de energia limpa", previu. "Uma nação em que a preservação das reservas naturais e das suas imensas florestas, associada à rica biodiversidade e à matriz energética mais limpa do mundo, permitem um projeto inédito de país desenvolvido com forte componente ambiental."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.