Dilma admite que saúde tem 'problema sério'

A presidente Dilma Rousseff admitiu hoje que a área de saúde enfrenta um "problema sério de gestão", durante entrevista ao vivo ao programa "Hoje em Dia", da TV Record. Para a presidente, não é possível aceitar que a saúde no Brasil "não precisa de mais dinheiro".

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

29 de setembro de 2011 | 11h33

"Tem um problema sério de gestão sim. A gente tem recursos e o uso desse recurso tem de ser melhorado", disse a presidente, ao ser questionada pelo apresentador se dava para melhorar a saúde do Brasil e se era necessário um novo imposto para isso.

"Não estou pedindo hoje um aumento de impostos. Nós vamos melhorar a gestão da saúde nesse País e, quando ficar claro para a população que ela precisa de mais coisa, ela mesma vai se encarregar de pedir. Temos de provar, o governo federal, estaduais, municipais, que nós podemos gerir bem a saúde e a partir daí começar a conversar claro para a população", comentou Dilma.

Segundo Dilma, é possível "contar nos dedos" os países que oferecem serviço universal de saúde, gratuito e de boa qualidade. A presidente observou que o Brasil investe menos per capita do que países vizinhos. "Se você olhar, a Argentina per capita investe mais em saúde do que nós, 42% a mais, o Chile, 27% a mais, e se você olhar o setor privado versus o setor público, o setor privado per capita está colocando 2 vezes e meia mais."

Mais conteúdo sobre:
saúdeDilmagestão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.