Dilma admite possibilidade de Marta disputar governo de SP

"Quanto mais mulher melhor", afirmou a ministra ao ser questionada se dividiria uma chapa com Marta

Clarissa Oliveira e Tomas Okuda, da Agência Estado,

08 de agosto de 2009 | 18h01

Em meio à negociação entre PT e PSB sobre uma possível candidatura do deputado Ciro Gomes (PPS-CE) ao governo paulista, a chefe da Casa Civil e candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, admitiu neste sábado, 8, a possibilidade de a ex-prefeita Marta Suplicy representar seu partido na corrida para o Palácio do Bandeirantes. "Quanto mais mulher melhor", afirmou Dilma, ao ser questionada se gostaria de dividir uma chapa em que Marta seja a candidata ao governo. "Acho que as mulheres são muito unidas nisso", respondeu Marta. As duas chegaram juntas na tarde deste sábado, por volta das 17h10, ao evento de encerramento das Caravanas do PT de SP, que reúne militantes e lideranças do partido na Quadra dos Bancários, região central da capital paulista.

 

Marta tem dito a aliados que pretende disputar a eleição do ano que vem, mas que ainda não decidiu para qual posto vai se lançar. O desgaste da derrota na última corrida municipal, entretanto, jogou contra a ex-ministra nas conversas para a definição do candidato petista ao governo estadual.

Sem candidato natural, o PT vem avançando na negociação com Ciro. Na próxima quarta-feira, o deputado vai se reunir em Brasília com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do PSB, governador Eduardo Campos (PE), além de dirigentes dos dois partidos.

 

Na saída do almoço, Marta e Dilma minimizaram as conversas com o PSB. "Tenho a impressão de que esta é uma questão que vai se colocar para o partido em algum momento. Nós ainda estamos numa fase em que não estamos discutindo. É uma situação em que está tudo muito aberto. O partido agora está mais preocupado em se organizar", disse Dilma. "Temos que, primeiro, aglutinar o partido e torná-lo muito sólido na nossa candidatura presidencial. E acho que não teremos nenhum problema aqui em ter uma representação, seja ela a que nos convier", completou Marta.

 

Dilma aproveitou a ocasião para comentar a possibilidade de a senadora Marina Silva (PT-AC) sair candidata à presidência no ano que vem. Marina recebeu um convite do PV e estuda a possibilidade de deixar o PT para concorrer. Apesar das divergências entre as duas quando Marina deixou o Ministério do Meio Ambiente, no ano passado, Dilma manteve o tom diplomático. "Acho que a Marina, sempre, em qualquer processo é bem vinda, não acho que seja um problema a Marina", disse a chefe da Casa Civil, dizendo não partir do princípio que a senadora vai de fato trocar de partido. "Para mim, a Marina é do PT."

 

Na segunda-feira (10) a ministra faz balanço regional do PAC no Rio Grande do Norte, no centro de convenções de Natal, e na terça-feira tem compromissos em Mossoró(RN).

Tudo o que sabemos sobre:
Marta SuplicyDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.