Dilma admite 'indícios claros' de desvios na Petrobrás

Dilma admite 'indícios claros' de desvios na Petrobrás

Candidata à reeleição defende investigação do caso, mas reitera que não se pode basear decisões apenas nos depoimentos de Paulo Roberto Costa

O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2014 | 20h17

São Paulo, 19/10/2014 - A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, evitou responder diretamente sobre a acusação do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa envolvendo a ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann. Segundo reportagem publicada neste domingo pelo jornal "O Estado de S. Paulo", Costa informou que o esquema de corrupção na estatal repassou R$ 1 milhão à campanha de Gleisi ao Senado, em 2010.

Dilma repetiu no fim da tarde, em coletiva, que há evidências de que houve desvios na Petrobras, mas ressaltou que ainda precisam ser investigados quem estava envolvido e qual foi o montante desviado. "Não se sabe nem quanto (foi desviado) nem quem fez (os desvios)", disse Dilma. "O que temos até agora são vazamentos, vaza de tudo que é lado. Agora, não se sabe se esses vazamentos são efetivos", acrescentou. "Os indícios são claros de que houve desvio ou não teria havido delação premiada."

Questionada por que então levantou no último debate de TV o caso do vazamento do nome do ex-presidente do PSDB, já morto, Sérgio Guerra, Dilma disse ter sido uma resposta aos ataques do adversário tucano Aécio Neves. "Eu questionei: ''O mesmo tratamento que você dá a algumas pessoas ligadas ao PT você vai dar ao Sérgio Guerra?".

Dilma afirmou na entrevista que "o pau que bate em Chico bate em Francisco" e que, "se os vazamentos forem pertinentes, todo mundo está comprometido". Mas deu a entender que não se pode basear decisões apenas nos vazamentos da delação premiada de Paulo Roberto Costa.

A presidente reclamou de ela e o PT não terem acesso aos depoimentos de Costa, apesar de terem dirigido representações ao Ministério Público e ao Supremo Tribunal Federal. "Se eu não posso saber, por que alguém pode? Se eu tenho interesse direto no sentido de proteger o governo. Não tenho curiosidade mórbida", argumentou.

Dilma repetiu ainda que tem um compromisso com a resolução do caso e ressarcimento da Petrobras dos recursos desviados. "Acho fundamental, e vamos tomar todas as medidas nesse sentido, para garantir o ressarcimento e que quem desviou dinheiro seja punido", afirmou. (Ana Fernandes - ana.fernandes@estadao.com e Isadora Peron)

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesdilmagleisipetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.