Dilma adia decisão sobre novo procurador-geral

A presidente Dilma Rousseff cancelou a agenda de trabalho da tarde desta sexta-feira, 16, para descansar. Isso foi necessário em decorrência da recaída de uma gripe que havia atingido a presidente nas últimas semanas. Dilma pegou muito frio em Assunção, onde foi participar da cerimônia de posse do presidente do Paraguai, Horácio Cartes, nesta quinta-feira, 15. Por causa disso, Dilma adiou também a escolha do novo Procurador-Geral da República, nome que pretendia, a princípio, anunciar nesta sexta.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

16 de agosto de 2013 | 22h10

Pela manhã, no Palácio da Alvorada, Dilma fez uma espécie de reunião de coordenação com os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; da Educação, Aloizio Mercadante; da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; além do ex-ministro da Comunicação do governo Lula, Franklin Martins.

À tarde, Dilma planejava receber, no Palácio do Planalto, o embaixador da República Popular da China no Brasil, Li Jinzhang e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Mas os dois encontros foram adiados. Dilma passará o fim de semana em Brasília. Na segunda-feira, 19, cumpre agenda em São Bernardo do Campo, em São Paulo.

Com mal-estar e o corpo dolorido, a presidente Dilma preferiu cancelar os demais compromissos da tarde desta sexta-feira. Também liberou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que viajou para São Paulo, adiando uma nova reunião que deveria levar à decisão sobre a escolha do procurador-geral da República, nome que pretendia decidir nesta sexta.

Está nas mãos da presidente a lista tríplice encaminhada pela associação dos procuradores, que apresenta como os preferidos pela categoria, após votação, os nomes de Rodrigo Janot, Ela Wiecko e Deborah Duprat, nesta ordem. Dilma ainda não teria batido o martelo sobre um deles. Mas a expectativa é que a definição saia no início da semana que vem.

Tudo o que sabemos sobre:
PROCURADOR-GERALDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.