Diferença com Dilma está nos 'quilinhos a mais', diz Marina ao CQC

Após ter feito a brincadeira, a candidata do PV reconheceu que este tipo de piada 'é terrível' entre as mulheres

Daiene Cardoso, da Agência Estado

01 de setembro de 2010 | 13h38

SÃO PAULO - A candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, brincou nesta quarta-feira, 1, durante sabatina promovida pelo jornal "O Estado de S.Paulo", com o que seria a "diferença" entre ela e a candidata petista Dilma Rousseff. "Ela tem, com certeza, uns quilinhos a mais", disse em tom de brincadeira. Ao final do evento, Marina se desculpou: "Entre mulheres é terrível o que eu fiz."

 

Marina foi questionada sobre a queda nas intenções de voto do candidato do PSDB José Serra e a razão pela qual esses votos estariam se revertendo à favor de Dilma. Foi indagado a Marina se ela não se perguntava todos os dias "o que ela tem que eu não tenho". A candidata sorriu, disse que o voto é do eleitor e que espera multiplicar os 15 milhões de votos que já teria. "Ainda é um momento pendular, estamos no início de um processo", justificou.

 

No evento, Marina foi questionada também sobre seu estado de saúde. Ela contou que tem uma alimentação controlada e saudável, além do fato de vir de uma família com tradição de vida longa. "Se a concorrência quiser se livrar de mim por problemas de saúde, pode tirar o cavalinho da chuva", ironizou.

 

Arrecadação

 

A candidatura do PV arrecadou até ontem R$ 13,6 milhões para campanha, sendo menos de R$ 100 mil levantados com contribuintes pessoa física via internet. O segundo balanço de arrecadação será encaminhado ao Tribunal Superior eleitoral (TSE). Na primeira parcial apresentada à Justiça Eleitoral foram arrecadados R$ 4,6 milhões. O teto de arrecadação é de R$ 90 milhões.

 

A arrecadação da candidatura tucano chegou, em agosto, a R$ 29,5 milhões, enquanto a candidatura petista alcançou cerca de R$ 39 milhões. "Está difícil para todo mundo", avaliou o coordenador geral da campanha do PV, João Paulo Capobianco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.