Dieese quer reunir Lula, Alckmin e Marta em festa

O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) quer reunir o presidente de honra do PT, Luís Inácio Lula da Silva, a prefeita Marta Suplicy (PT) e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) na comemoração dos 20 anos da I Conferência Nacional das Classes Trabalhadoras (Conclat), o evento que marcou o ressurgimento do movimento sindical brasileiro, depois da interrupção imposta pelo regime militar, em 64. A comemoração foi marcada para o próximo dia 23, na Assembléia Legislativa de São Paulo, e deve reunir 200 pessoas. Lula já confirmou presença. A Conclat ocorreu de 21 a 23 de agosto de 1981 e reuniu 1,2 mil entidades e 5 mil delegados. Na ocasião, os participantes discutiram as bases para a organização nacional dos trabalhadores, lançando o embrião das atuais centrais sindicais. Os presidentes da CUT (Central Única dos Trabalhadores), CGT (Confederação Geral dos Trabalhadores), Força Sindical e SDS (Social Democracia Sindical) também participarão da comemoração. "Além de ser uma demonstração de força do movimento sindical pelos direitos dos trabalhadores, a Conclat representou um largo passo pela redemocratização do País", enfatiza Ivo Matta, da SDS. A expectativa dos organizadores é de que as quatro centrais sindicais do País se concentrem em pontos em comum para aumentar a força de atuação na defesa dos trabalhadores. Segundo Hugo Perez, secretário de relações sindicais da CGT e diretor do Dieese, o principal objetivo do encontro é o de resgatar a história. "Vamos lembrar dos primeiros momentos que desencadearam a formação das centrais, mas também poderemos aproveitar a oportunidade para avaliarmos quais são nossos pontos em comum. Ou fazemos isso ou o trabalhador está perdido", diz o líder sindical que esteve presente na primeira Conclat, em 1981.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.