Dias pede urgência a projeto sobre royalties do pré-sal

O senador Wellington Dias (PT-PI) protocolou hoje no Senado requerimento de urgência para o projeto de lei 16/2010, de autoria do Executivo, que regulamenta a distribuição dos royalties da exploração de petróleo do pré-sal. A meta é tentar construir um texto de consenso para votá-lo neste mês, evitando a apreciação do veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à "emenda Ibsen".

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

04 de agosto de 2011 | 19h20

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou que convocará o Congresso Nacional para apreciar o veto em setembro, caso os parlamentares não construam um entendimento sobre a partilha dos royalties do petróleo ainda neste mês. O governo trabalha nos bastidores para evitar a derrubada do veto e encontrar uma saída para o impasse.

Se o requerimento de urgência for aprovado, o projeto será apreciado diretamente no plenário, dispensando a análise das comissões temáticas. Wellington Dias é autor de uma proposta alternativa para a divisão dos royalties, que evitaria a perda de recursos da União, ao contrário da emenda do ex-deputado Ibsen Pinheiro. A emenda prevê que o governo federal compensará os Estados produtores pela perda de arrecadação diante do novo modelo de repartição dos lucros.

De acordo com a proposta de Dias - que tem o apoio da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) - Rio de Janeiro e Espírito Santo receberão o valor referente à média dos últimos anos dos recursos, mais uma parcela de acordo com o Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

O argumento do petista em defesa de sua proposta é de que a "arrecadação dos Estados confrontantes continuará crescendo proporcionalmente como crescerá a arrecadação baseada no FPE e no FPM para todos os Estados e municípios". O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), promete recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) se o Congresso aprovar um modelo que promova a distribuição de todos os recursos, incluindo royalties do petróleo explorado no mar e na camada pré-sal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.