Dias e Maia pedem vista sobre dívida do Congo

O vice-líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR), e o líder do Democratas na Casa, Agripino Maia (RN), pediram nesta terça-feira, 25, vista das mensagens enviadas pelo governo Dilma Rousseff que propõem a renegociação da dívida da República Democrática do Congo (Congo Kinshasa) e da Costa do Marfim. A análise desses pedidos estava parada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) desde o dia 4, quando o relator das matérias, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), pediu mais tempo para analisar os textos e dar seu parecer. Mas com o pedido de vista, a votação só deve ocorrer na próxima semana.

RICARDO BRITO, Agência Estado

25 Junho 2013 | 12h02

A comissão, entretanto, aprovou o reescalonamento da dívida com a República do Congo (Congo Brazzavile). A oposição não pediu vista dessa operação. No final de maio, em visita a Adis Abeba, na Etiópia, a presidente Dilma Rousseff anunciou o perdão e a renegociação de dívidas de 12 países da África. "Essa não é a primeira vez que o Brasil toma essa iniciativa", afirmou Ferraço, ao defender a realização das três operações.

Durante a discussão sobre o débito da República Democrática do Congo, o vice-líder tucano questionou a viabilidade de o Brasil conceder essa remissão das dívidas. "Eu considero um absurdo, considero esbofetear a pobreza nacional. As dificuldades do nosso povo levam milhares às ruas para protestar, nós não podemos pedir aqui perdão das dívidas do Piauí, Paraná", criticou. As operações dos países africanos envolvem os respectivos valores: Congo-Kinshasa, US$ 4,7 milhões; Congo-Brazzaville, US$ 352,6 milhões; e Costa do Marfim, US$ 1,2 milhão.

Mais conteúdo sobre:
Congodívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.