Diário Oficial publica pedido de abertura de CPI contra Yeda

Requerimento, assinado por deputados governistas e da oposição, foi aprovado na última sexta-feira

Rodrigo Alvares, estadao.com.br

17 de agosto de 2009 | 11h23

A edição desta segunda-feira do Diário Oficial da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul publicou  a instituição da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar supostos atos de corrupção envolvendo a governadora Yeda Crusius (PSDB-RS) e aliados. O requerimento, assinado por 39 deputados, entre governistas e oposição, foi aprovado na última sexta-feira pelo presidente da Casa, Ivar Pavan (PT-RS).

 

Veja também:

linkGravação contra Yeda vaza na web

linkAdvogado pedirá à Justiça exclusão de Yeda em ação

linkDeputados obtêm acesso a processo contra Yeda Crusius

linkYeda Crusius acusa procuradores do Ministério Público Federal

linkMinistério Público pede afastamento de Yeda

 

Os postos estão divididos: PT, PMDB, PP e PSDB terão dois representantes cada na CPI, enquanto PDT, PTB, DEM e PPS terão um. Haverá prazo de cinco dias para que as bancadas indiquem os nomes que vão compor a comissão. Após a indicação, haverá prazo de três dias para que a CPI seja instalada.

 

Entre os fatos que originaram o pedido de abertura, a deputada Stela Farias (PT-RS) cita, entre outros, "Ações e inquéritos no âmbito da Polícia Federal, Justiça Federal e Ministério Público Federal,com escopo na atuação de autoridades e titulares de cargos públicos do Estado do Rio Grande do Sul", conexão entre fatos investigados no âmbito da "Operação Solidária" envolvendo a atuação de agentes políticos, servidores públicos e réus da ação judicial decorrente da "Operação Rodin" e "interferência irregular de agentes públicos ou particulares na gestão do Detran".

 

Na publicação, a líder do governo na Assembleia, Zilá Breitenbach (PSDB-RS), escreve que "a proposta de instauração de CPI posta à apreciação de Vossa Excelência, ainda que imprecisa, faz transparecer o desejo de exclusivamente re-investigar fatos já esgotados nas searas competentes, vez que objeto de inquéritos policiais e/ou de processos judiciais, como é de domínio público".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.