Diante de crítica, PF lança manual para disciplinar ações

Sete meses depois de ser censurada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Polícia Federal (PF) editou um manual para disciplinar as ações do órgão. Consideradas pirotécnicas - com prisões e arrombamentos de portas registrados em vídeo e repassados à imprensa - as megaoperações aborreceram o Planalto. A cartilha apresentada hoje pelo diretor-geral da PF, delegado Luiz Fernando Corrêa.O manual reforça o uso de algemas como "regra de segurança", mas veta a exposição de presos sob pena de punição disciplinar ao policial infrator. As novas regras também introduziram na estrutura operacional uma equipe de custódia, encarregada de facilitar o acesso dos advogados aos autos dos inquéritos. O velho camburão será substituído por um novo tipo de viatura para condução de presos, cujo protótipo já foi encomendado à indústria e está em fase de finalização. "A algema é o símbolo do Estado exercendo seu poder de prisão, mas o sucesso da PF não deve ser marcado pela imagem de alguém sendo jogado num camburão", disse o delegado. O objetivo, conforme Corrêa, é observar o respeito aos direitos humanos e a dignidade do preso, sem prejuízo ao combate ao crime, à segurança das operações e ao direito de a imprensa informar. "Não será dado cometer erro primário a quem conhece o manual."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.