Evaristo Sá/AFP
Evaristo Sá/AFP

Aras elogia mulher que escolhe 'cor da unha'; veja outras gafes do 8 de março

Deslize de Augusto Aras se soma aos de Jair Bolsonaro e Neucimar Fraga no Dia Internacional da Mulher; casos de Arthur do Val e Neucimar Fraga sobre mulheres da Ucrânia também marcaram a efeméride

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 12h40

Uma declaração do procurador-geral da República, Augusto Aras, nesta terça-feira, 8, entrou para a galeria de frases consideradas infelizes proferidas no Dia Internacional da Mulher. Ao falar sobre a importância da data, o PGR reforçou esteriótipos ligados ao gênero feminino e disse que a homenagem era para mulheres que “têm o prazer de escolher a cor da unha que vai pintar”. 

"Hoje é dia de homenagem à mulher, no seu sentido mais profundo, da sua individualidade, da sua intimidade. A mulher que tem o prazer de escolher a cor da unha que vai pintar, a mulher que tem o prazer de escolher o sapato que vai calçar", afirmou Aras. Ele participava de um evento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Antes do PGR, outras autoridades já haviam cometido gafes na terça-feira. Em solenidade que celebrava o Dia da Mulher, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que, hoje em dia, as mulheres estão “praticamente integradas à sociedade” e que elas foram “feitas do homem”. 

O presidente ainda repetiu uma fala da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e afirmou que a participação das mulheres no governo é maior do que em gestões anteriores. Ao considerar o segundo e o terceiro escalões, o número esconde o fato de que apenas três dos 23 ministérios são chefiados por mulheres. 

Ainda na terça-feira, foram divulgadas mensagens atribuídas ao deputado federal Neucimar Fraga (PSD-ES) e consideradas machistas. Uma captura de tela reproduzida nas redes sociais mostra que, em um grupo de WhatsApp com lideranças políticas do Espírito Santo, o parlamentar enviou imagens de supostas soldadas ucranianas e ironizou: “Como a Ucrânia quer ganhar a guerra sem nenhum canhão?”. 

“Canhão” é um termo pejorativo utilizado para se referir à aparência de uma mulher. 

Também circulou nas redes sociais o “folder” digital de um evento que, embora realizado por ocasião do Dia da Mulher, só divulgava a participação de homens. Descrito como “semana da mulher”, o ciclo de palestras dava destaque em seu convite à participação do presidente Bolsonaro; Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados; Paulo Guedes, ministro da Economia; Tarcísio de Freitas, ministro da Infraestrutura; e Rodrigo Garcia, vice-governador de São Paulo. O tema: “Mulheres no Centro do Poder”. 

No mesmo dia, a Câmara dos Deputados aprovou uma moção de repúdio ao deputado Arthur do Val por suas declarações sexistas sobre as mulheres ucranianas. Na última sexta-feira, 4, vazaram áudios do parlamentar classificando as mulheres daquela região como “fáceis por serem pobres” e comparou a fila de refugiadas da guerra à entrada de uma balada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.