Dez são presos por ligação com máfia dos hospitais do Rio

O cerco à máfia que atua nos hospitais federais do Rio foi reforçado nesta terça-feira com a prisão de 10 suspeitos de integrar um esquema de corrupção na prestação de serviços de lavanderia. A fraude consistia no aumento abusivo do número de toneladas de roupas limpas.Agentes da Polícia Federal surpreenderam oito funcionários da empresa Brasil Sul Indústria e Comércio e dois do Hospital dos Servidores do Estado (HSE), lotados no setor de rouparia, usando notas superfuradas. Três veículos da empresa, que também presta serviço para o Instituto Nacional de Traumato-Ortopedia (Into), o Hospital Geral de Bonsucesso (HGB) e Hospital do Andaraí, foram apreendidos.Durante a operação, o delegado responsável pelo caso, Daniel Brandão, também constatou a infração das normas de controle bacteriológico. A entrega de roupas limpas e o recolhimento das sujas eram feitos em um mesmo veículo.A diretora do HSE, Ana Lipke, esteve reunida hoje, em Brasília, com os diretores dos outros quatro hospitais federais do Rio para discutir o relatório do Departamento Nacional de Auditoria do SUS e fazer um balanço da situação em cada unidade. Ficou decidido que cinco grupos de trabalho formados por técnicos do ministério e dos próprios hospitais conduzirão a reorganização das unidades. O secretário de Atenção à Saúde do ministério, Jorge Solla, anunciou que novas sindicâncias serão abertas nos HSE, HGB, e Hospital de Cardiologia de Laranjeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.