Devassa em 55 projetos beneficiados pela Sudam

A Polícia Federal decidiu fazer uma devassa em pelo menos 55 projetos que receberam R$ 297 milhões da extinta Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), muitos dos quais teriam envolvimento de políticos.A relação com os nomes dos empreendimentos e os supostos apadrinhamentos de senadores, deputados, governadores e ex-parlamentares, foi encontrada na residência do ex-superintendente da autarquia José Artur Guedes Tourinho, que confirmou a autenticidade da lista.?Sen. JB?A PF está evitando divulgar os nomes dos políticos até que sejam iniciadas as investigações e se comprovem (ou não) as ligações com os projetos que receberam recursos públicos. ?Não sabemos, pelo menos por enquanto, qual é a ligação entre os projetos e os políticos, e se os empreendimentos estão irregulares?, afirmou o delegado federal Hélbio Dias Leite, coordenador das investigações sobre os desvios da Sudam.A relação foi encontrada entre diversos documentos relativos à Sudam na casa de Tourinho, junto com outros papéis, como uma lista de projetos com as iniciais ?Sen. JB?, que pode ser uma referência ao ex-senador Jader Barbalho.ApadrinhamentoTourinho afirmou desconhecer esse documento, mas confirmou que a lista dos empreendimentos vinculados a vários políticos foi produzida em seu gabinete na extinta autarquia, embora tenha afirmado não se lembrar por que razão isso foi feito. ?Vamos ter que convocar o ex-superintendente da Sudam para que ele tente revelar a origem do documento?, afirma Dias Leite.A lista contém pelo menos 55 nomes de projetos, sendo que a maior parte deles tem o nome de político na frente. Pelo menos 50 receberam financiamento da Sudam, segundo já confirmou a PF, faltando apenas saber por que houve apadrinhamento político.Grupos empresariaisParte dos projetos tem à frente nomes de grandes grupos empresariais brasileiros, que a PF também pretende manter em sigilo durante as investigações. Até agora, a PF encontrou diversas pistas que supostamente ligam parlamentares aos projetos. A maior parte deles está no Pará, principalmente em Altamira, um dos redutos eleitorais de Jader Barbalho.UsimarOutra empresa suspeita de favorecimento é a Usimar Componentes Automotivos ? cuja investigação nesta semana vai estender-se ao Paraná ?, beneficiada com R$ 44 milhões e cujo projeto pode ter sido aprovado por influência da ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney e seu marido, Jorge Murad.Na próxima semana, a Polícia Federal vai começar a ouvir o depoimento de pessoas que denunciaram as ameaças de morte contra o procurador da República em Tocantins, Mário Lúcio de Avelar.O delegado federal José Pacífico Martins Ferreira já convocou o governador do Estado, Siqueira Campos (PFL), e o presidente do Tribunal de Justiça, José Maria Neves, para confirmar um alerta que ambos deram ao juiz da Justiça Federal de Tocantins, Alderico Rocha Santos, sobre o risco de vida de Avelar. As duas autoridades podem marcar dia e hora dos depoimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.