Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'Deus capacita os escolhidos', diz Bolsonaro ao lado de Silas Malafaia

Presidente eleito participa de culto em igreja evangélica no Rio de Janeiro e diz que fará um governo 'comprometido com os valores da família cristã'

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2018 | 21h01

RIO -  O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta terça-feira, 30, durante culto na Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, do pastor Silas Malafaia, que tem certeza que não é o mais capacitado para ocupar o cargo, mas ponderou. "Deus capacita os escolhidos", afirmou.

Malafaia, que celebrou o atual casamento de Bolsonaro e durante a campanha eleitoral declarou apoio ao então candidato. Chamado ao palco, ficou cerca de 15 minutos, dos quais discursou por menos de cinco. Agradeceu aos fiéis e prometeu ser uma pessoa "comprometida com os valores da família cristã".

Ao apresentar Bolsonaro aos fiéis, Malafaia relatou que quando ouviu do então deputado federal que seria candidato a presidente, em 2013, pensou: “Ele pirou”. Quando Bolsonaro tomou o microfone, os fiéis em coro gritaram “glória”. Ele agradeceu a Deus, que “operou milagre em Juiz de Fora”, referindo-se ao fato de ter sobrevivido à facada de que foi vítima durante ato de campanha, em 6 de setembro. Depois relembrou o casamento celebrado por Malafaia e disse ter chorado muito naquela ocasião. Também chorou ao saber o resultado da eleição, contou.

Sobre a eleição, afirmou que Malafaia não foi o único que duvidou de sua candidatura a presidente. “Também achei que pirei naquele momento”, brincou. “Eu tinha tudo para não chegar: sem fundo partidário, sem (tempo de) televisão, (alvo de) calúnias, mas eu fui em João 8:32 e escolhi meu slogan: ‘Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará’. Uma pessoa importante falou que com esse slogan eu perderia a eleição. Eu disse: ‘Então vou perder’”.

“Peço que continuem orando para que, além de ter uma boa equipe, tenhamos boas ideias para fazer esse povo feliz”.

Em seguida Malafaia retomou o microfone e por mais sete minutos fez elogios ao presidente eleito. “Deus vai te dar sabedoria, graça e saúde para mudar a história desse país”, afirmou, enquanto os fiéis oravam, numa espécie de transe.

O pastor afirmou ainda que os brasileiros não devem esperar que “em três, quatro meses as coisas vão estar todas resolvidas”, mas que o futuro é promissor. “Nós não estamos votando em alguém para Deus. O Estado é laico e tem que ser, mas o povo tem religião. Sem imprensa livre não tem democracia, mas cada celular hoje é uma emissora de televisão. Acabou o monopólio da imprensa”, afirmou.

Ao final, reuniu-se em particular com Malafaia durante 25 minutos. Na saída, tirou parte do corpo pela janela do jipe da Polícia Federal e acenou para o público, que o aplaudiu ao coro de “mito, mito”.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroSilas Malafaia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.