Desta vez vai ter reforma política, afirma Vaccarezza

O coordenador do Grupo de Trabalho da Reforma Política defendeu que a ação deve ser seja focada no "bom senso"

Daiene Cardoso, Agência Estado

24 de julho de 2013 | 13h49

Brasília - O coordenador do Grupo de Trabalho da Reforma Política criado pela Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou nesta quarta-feira, 24, que há um sentimento de mudança e votação da reforma entre os parlamentares após a onda de protestos de junho. "Desta vez vai ter votação da reforma política", assegurou. Financiamento de campanha e sistema eleitoral são, de acordo com ele, os pontos que despertam maior interesse entre os parlamentares.

O petista defendeu que a ação do grupo de trabalho seja focada no "bom senso" e na busca do "pensamento majoritário" entre os parlamentares. Apesar de, pessoalmente, apoiar a proposta de voto em lista e financiamento público de campanha eleitoral, o deputado disse que não se pode impor à sociedade uma "ideia fixa" e que "se quiserem enquadrar" a reforma política nestas bandeiras, "o grupo não vai andar". "Nós temos de buscar a média, que seja aceitável por todos", afirmou o petista.

O deputado defendeu a adoção da consulta popular permanente nas eleições, modelo em vigor nos Estados Unidos, onde a cada pleito os eleitores são convidados a responder perguntas variadas. No caso da proposta de reforma política em discussão, Vaccarezza acredita que determinados pontos poderão ser levados à consulta do eleitorado. "Tem coisas que só o povo pode decidir. Aí teremos de recorrer a um referendo ou plebiscito", disse.

Em pleno recesso, foi lançado hoje um site dentro do Portal e-Democracia a fim de receber sugestões da população para a proposta final de reforma que será elaborada em 90 dias. Na apresentação do site, Vaccarezza ressaltou que não vai basear os trabalhos em ideias que já deram errado no passado. Ele anunciou que consultará as presidências da Câmara e do Senado para "acelerar" o processo no Congresso "sem comprometer a qualidade da proposta".

Questionado sobre o clima no PT após sua nomeação no Grupo de Trabalho, Vaccarezza desconversou, disse que não vai mais debater a proposta do plebiscito e que vai até ajudar o partido a recolher as assinaturas necessárias para aprovação de Decreto Legislativo convocando a consulta popular. "Não fico com medo de enfrentar posições difíceis", respondeu o deputado, que voltou a afirmar que faz parte "da linha de frente" de defesa do governo Dilma Rousseff.

Site. Qualquer internauta poderá acompanhar os debates e encaminhar sugestões para o Grupo de Trabalho por meio do Portal e-Democracia, hospedado no site da Câmara dos Deputados. A ideia do site da reforma é informar sobre o andamento dos trabalhos, abrir fóruns de discussão sobre cada item da proposta e oferecer dados sobre como funciona o sistema eleitoral em cada país. "O site vem ao encontro do que as ruas clamam", comentou o deputado Leonardo Gadelha (PSC-PB), que faz parte do grupo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.