Despachante revela encontro com jornalista no mês passado

Dirceu Garcia afirmou à PF que se encontrou pessoalmente com Amaury Ribeiro no mês passado para discutir a violação do sigilo fiscal dos tucanos

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 18h19

Em novo depoimento, o despachante Dirceu Garcia afirmou à Polícia Federal, na última sexta-feira, que se encontrou pessoalmente com o jornalista Amaury Ribeiro no mês passado para discutir a violação do sigilo fiscal dos tucanos. Na conversa, ocorrida entre os dias 2 e 4 de setembro, Amaury teria prometido entregar R$ 5 mil ao despachante. O depósito foi feito em duas parcelas numa agência do Bradesco em Brasília nos dias 9 e 17 do mês passado.

 

Veja também:

linkPT paulista infiltrou dois espiões na campanha de Dilma, diz jornalista

 

Foi o terceiro depoimento do despachante à PF. Nos dois primeiros, em 6 e 7 de outubro, ele revelou que Amaury encomendou os sigilos fiscais dos tucanos. E os documentos, segundo ele, foram entregues entre 29 de setembro e 8 de outubro do ano passado. O jornalista pagou R$ 12 mil pelo serviço em dinheiro vivo naquela época. Os R$ 5 mil depositados no mês passado, segundo o depoimento de Garcia, seriam para ele se calar sobre o caso.

 

No começo de outubro, o despachante disse que recebera apenas uma ligação de Amaury para falar dos R$ 5 mil. Agora, na semana passada, admitiu um encontro entre os dois. No seu depoimento dado à PF na segunda-feira, Amaury Ribeiro Jr. negou ser o autor dos depósitos. Alegou que, no período desse repasse financeiro, estava em Manaus, a serviço de TV Record. O despachante disse na sexta-feira que, no encontro pessoal em São Paulo no mês passado, pediu R$ 2 mil para Amaury porque estava com problemas financeiros. O jornalista, então, teria oferecido R$ 5 mil.

 

Garcia contou ainda à polícia que, em 2009, Amaury pediu para que assinasse um recibo de R$ 300 em nome do jornal "Correio Braziliense" para serviços prestados na Junta Comercial. Mas o despachante disse não se recordar quando e porque ocorreu a assinatura desse recibo. Não o relaciona à violação dos sigilos. Afirmou que isso ocorreu apenas uma vez. Questionado sobre o assunto, Amaury disse que não se recorda do episódio.

Tudo o que sabemos sobre:
NacionalPolíticaAmaury Ribeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.