Imagem Dora Kramer
Colunista
Dora Kramer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Desocupe Cunha

A conversa de domingo à noite no Palácio do Jaburu entre o presidente em exercício Michel Temer e o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, não foi a primeira nem será a última “análise do quadro político” em que o tema subjacente às tratativas formais é a possibilidade de renúncia de Cunha. Não ao mandato de deputado, mas à presidência da Casa.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2016 | 03h00

De uma ou duas semanas para cá, o assunto tem estado no centro das preocupações do Palácio do Planalto e adjacências. E por um motivo bastante mais objetivo que temores de (ainda) hipotética delação premiada ou tentativa de salvar a pele de Cunha: com Waldir Maranhão sentado na cadeira de presidente não dá. Quase nada anda em matéria de votações e, quando anda, o processo é muito mais complicado, entre outros motivos porque vira e mexe ele é impedido pelos deputados de tocar a sessão. Agora mesmo a Câmara está praticamente parada há duas semanas.

Além da agenda legislativa prejudicada, a Casa vive em tensão permanente. De um lado pela rejeição a Maranhão e de outro pelo desejo quase consensual de que Cunha se afaste para abrir espaço à eleição de um novo presidente para cumprir mandato até fevereiro de 2017. Fora isso, ao Palácio do Planalto interessa contar com uma interlocução que possa ser feita à luz do dia, sem dar margem a especulações. A cada vez que alguém do governo se encontra com Eduardo Cunha surgem versões sobre articulações para favorecê-lo no processo de cassação do mandato.

O encontro de domingo ocorreu por solicitação de Cunha. Segundo assessores do presidente em exercício, para uma conversa de “prospecção”. Temer poderia até se recusar a recebê-lo, mas criaria uma hostilidade desnecessária. E, sobretudo, contraproducente, pois quando se sente hostilizado Eduardo Cunha costuma firmar o pé na direção contrária. Portanto, a avaliação é a de que não se pode tentar lhe dar um xeque-mate. O melhor é administrar a situação com punhos de renda.

Como fez Michel Temer no domingo, em trabalho qualificado por aliados como de “relações públicas”. Não diz diretamente que deve renunciar, mas procura fazer ver a ele que o gesto poderia angariar alguma simpatia no colegiado (hoje majoritariamente antipático) no plenário quando da votação do pedido de cassação do mandato.

A possibilidade de que a cassação não seja aprovada, contudo, hoje é considerada muito remota. E, conforme dito a Eduardo Cunha, porque ele esticou demais a corda. Hoje qualquer um que viesse a se posicionar a seu favor seria mal visto pela opinião pública. Ninguém do governo diz isso a ele, mas o fato é que na visão geral Eduardo Cunha perdeu e precisa o quanto antes realizar a derrota, da maneira ainda mais suave à disposição dele: a renúncia à presidência.

Pelo simples fato de que o tempo dele está acabando. De acordo com o que dizem companheiros de fortuna e infortúnio, cabe a ele perceber.

A lei e a marra. A chamada Lei das Estatais, que estava prevista para ser sancionada ontem e obriga a contratação de “técnicos” para postos de direção em empresas públicas, impedindo a nomeação de políticos, é daquelas providências supostamente moralizadoras, mas só supostamente.

A Lava Jato e outras operações estão servindo para revelar que técnicos, quando querem e obtêm vantagem nisso, operam em nome de políticos. Eles podem ser tão corruptos quanto. Com a desvantagem, para o público pagante, de que contribuem para a desmoralização da política.

“Técnico” não é garantia de nada. Ao contrário, não depende de voto, vive na sombra de quem depende. Protegido do escrutínio popular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.