Desocupação termina na detenção de 118 sem-terra

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), foram despejados da fazenda Tucutu, também conhecida como Faquinha, em Cabrobó, no sertão, e levados para a delegacia do município, onde ficaram detidos até o início da tarde desta quarta-feira. A ação da Polícia Militar foi considerada abusiva pelo promotor agrário estadual, Édson Guerra. Segundo ele, pelo menos 10 pessoas tiveram escoriações e ferimentos. O líder do acampamento Florisvaldo Araújo Neto, 23 anos, está internado no hospital Dom Malan, em Petrolina. Ele não corre risco de morte. Entre os 118 levados para a delegacia, de acordo com o delegado Juraci Oliveira Costa, havia homens, mulheres e crianças."O juiz de Cabrobó (Marcos Sérgio Sarmento) nivelou todos e determinou que todos fossem presos", disse Édson Guerra. "Ele foi muito rigoroso num crime de menor potencial ofensivo". Em nota oficial, a assessoria de comunicação da Polícia Militar disse que os policiais da Companhia Independente da Polícia Militar no município recolheu facões, barras de ferro e enxadas no local. Seis dos agricultores foram levados algemados à delegacia e autuados por desobediência, resistência judicial e desacato.Para o líder do MST no Estado, Jaime Amorim, quem deveria ser punido era o juiz e a PM. "A ocupação da área foi feita no domingo às 10 horas; à tarde, já havia a reintegração de posse", disse. "O juiz estava de plantão, num domingo para favorecer os proprietários".No primeiro despejo, os sem-terra deixaram o local pacificamente, mas voltaram a ocupá-lo na última terça-feira. "Nesta quarta, o acampamento amanheceu cercado pela polícia que retirou todo mundo à força, usando de violência física e verbal", disse Amorim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.