Desistência de Aécio Neves movimenta bastidores do PSDB

O governador de São Paulo, José Serra, que é viciado confesso em Twitter, ainda não se manifestou

Daiene Cardoso, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2009 | 17h10

A desistência do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, de disputar o Palácio do Planalto pelo PSDB nas eleições do ano que vem já começa a movimentar os bastidores tucanos. Minutos após o anúncio oficial, em Belo Horizonte, alguns integrantes da legenda comentavam a decisão do governador. Quem se pronunciou, preferiu adotar um discurso que pregava a união dos correligionários em torno de um projeto para 2010.

 

Veja Também

linkAécio desiste de pré-candidatura à presidência pelo PSDB

linkLeia a íntegra da carta em que Aécio anuncia desistência

linkSerra deixa evento sem comentar desistência de Aécio

linkSerra não deve antecipar decisão, diz Madeira

 

No Twitter, rede de microblogs, o senador e ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo repercutiu com serenidade a desistência do colega de partido. "Aécio retira pré-candidatura à Presidência. Acredito que ele será Presidente da República em outro momento. PSDB seguirá unido em 2010."

 

Marconi Perillo, senador por Goiás, elogiou a postura de Aécio: "Aécio é um grande governador, tem um futuro promissor pela frente e é umas das maiores esperanças do Brasil. Seu gesto só o engrandece", afirmou.

 

Já o senador Alvaro Dias (PR), se limitou a apenas divulgar a notícia em seu blog. Já o governador de São Paulo, José Serra, que é viciado confesso em Twitter, não se manifestou.

 

Acompanhado do presidente nacional do partido, Sérgio Guerra, do secretário-geral, deputado Rodrigo de Castro e do vice-governador, Antonio Anastasia, Aécio leu uma carta na tarde desta quinta-feira, 17, em que renunciou ao posto de pré-candidato da legenda à cabeça de chapa que disputará a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições gerais do ano que vem.

 

"Deixo a partir deste momento a condição de pré-candidato do PSDB à Presidência da República, mas não abandono minhas convicções e minha disposição para colaborar com meu esforço e minha lealdade para a construção das bandeiras da Social Democracia Brasileira", disse o governador mineiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.