Desfile tem até ala chapa-branca

Para evitar protestos diante do palanque de Lula e Sarkozy, foram distribuídos convites a petistas e servidores

Rodrigo Rangel, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

08 de setembro de 2009 | 00h00

O governo escolheu a dedo quem iria ocupar as arquibancadas mais próximas do palanque principal do desfile de 7 de Setembro, onde estavam o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus convidados. Para entrar, era preciso apresentar um convite oficial - "individual e intransferível" - distribuído pela Presidência da República.

A arquibancada chapa-branca, repleta de admiradores de Lula, tinha militares, funcionários dos ministérios e petistas. Seguranças do Planalto guarneciam a entrada e cobravam a apresentação do convite. Havia ordem para não deixar que jornalistas entrassem, mas o Estado conseguiu furar o bloqueio.

Bem no meio da seleta plateia, a cabeleireira Maria de Jesus de Oliveira, 36 anos, assistia animada ao desfile. Moradora do Cruzeiro, bairro de classe média de Brasília, ela conseguiu um lugar ali graças ao cunhado, motorista da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. "Estou achando tudo muito bom", dizia ela.

Maria chegou à Esplanada dos Ministérios às 7h30. Além da filha, Yasmin, tinha ao lado oito familiares, uniformizados com camisas distribuídas pelo governo para promover a candidatura do Brasil a sede das Olimpíadas de 2016.

Perto dali, com visão ainda mais privilegiada de Lula e do presidente francês, Nicolas Sarkozy, estava a sorridente Ana Luísa Fonseca, 22 anos. Ela é funcionária do Diretório Nacional do PT e filiada ao partido de Lula há uma década. Foi no PT que ela arrumou os "ingressos". Ana Luísa assistia ao desfile pelo segundo ano consecutivo, acompanhada de uma amiga, Luanna, e da mãe, Lúcia, que viajou do Ceará a Brasília só para ver a festa.

Os convites foram distribuídos com uma semana de antecedência.Decorados com o brasão da República, traziam orientações expressas: os convidados não podiam cedê-los e deveriam chegar às 7h30, uma maneira de garantir que às 9h, hora marcada para o desfile, as arquibancadas mais próximas do palanque presidencial não estivessem vazias.

A estratégia deu certo. Assim que chegou em carro aberto com a primeira-dama, Marisa Letícia, Lula foi aclamado por sua arquibancada de simpatizantes. Quando desceu do palanque para recepcionar Sarkozy, o presidente brasileiro fez questão de apresentar ao colega francês sua "torcida particular". Os dois saudaram a claque, que retribuiu com aplausos.

A lista de convidados era diversificada. Incluía Tereza Cristina do Nascimento, 48 anos, que ganhou no Planalto, onde trabalha, convites para ela e mais nove. Militar lotado na seção de armamentos da Polícia Federal, Jacione de Jesus Mendes, 28, ganhou o convite do chefe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.