Desfile de 7 de Setembro atrai 50 mil em Brasília

O desfile do Dia da Independência em Brasília foi um espetáculo de três horas que entremeou demonstrações militares, estudantes, grupos de balé e capoeiristas. Tudo emoldurado por balões e painéis verde-amarelos planejados pelo publicitário Duda Mendonça. O maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima, medalha de bronze em Atenas, abriu o desfile conduzindo a bandeira. Depois ficou junto do presidente Lula no palanque das autoridades, entre elas o primeiro-ministro de Portugal, Pedro Santana Lopes. A Polícia Militar calculou que pelo menos 50 mil pessoas suportaram o calor sem nuvens e com baixa umidade relativa do ar.Além da festa, houve protesto. Muitas mulheres de militares estiveram na Esplanada dos Ministérios para reivindicar um aumento para os soldos dos maridos. O ministro da Casa Civil, José Dirceu, disse que o protesto é legítimo e faz parte da democracia. O ministro da Defesa, José Viegas, disse que os 10% de aumento para os militares estão garantidos e que no ano que vem a situação será revista.FamíliaCom 10 minutos de atraso Lula atravessou a Esplanada dos Ministérios no Rolls Royce presidencial conversível, acompanhado de dona Marisa Letícia, que usava um terno bege e blusa verde com estrelas douradas. O presidente fez questão da presença de toda a família. Além dos quatro filhos, estavam no palanque as noras e o neto, de cinco anos. Alguns amigos do presidente, todos de São Bernardo Campo, no ABC paulista e até dona Marília, sogra do primeiro casamento da primeira-dama, foram a Brasília comemorar o 7 de Setembro.Lula, que vestia a faixa presidencial, não escondia a satisfação com o desfile, embora tenha olhado para o relógio por algumas vezes um pouco antes do término do desfile. Ele havia ordenado que a festa fosse encurtada, porque nesta época do ano a umidade relativa do ar em Brasília é tão baixa que costumam ocorrer desmaios de pessoas que ficam ao sol.PoderesO calor de mais de 30 graus e a pouca umidade também não desanimaram os ministros e convidados. Dirceu, que estava ao lado da mulher, Maria Rita, era um dos mais animados. Ao contrário do ano passado, quando Lula e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Corrêa, estavam rompidos e não se falaram, neste ano foi dada uma demonstração das novas relações entre os Poderes Executivo e Legislativo. Lula conversou várias vezes com o novo presidente do STF, Nélson Jobim e, ao final do desfile, foi até onde estava o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Édson Vidigal, para cumprimentá-lo. O único vaiado foi o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB).O ministro da Cultura, Gilberto Gil, depois de salientar que estas festas nacionais são muito comuns em países como França e Estados Unidos, lembrou as comemorações do 7 de Setembro que via no seu tempo de criança em todas as cidades. "Por que não ter esta festa na capital do País?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.