'Descontentes' podem turbinar bancada do PSB

Descolado da base do governo e da oposição no Congresso desde que perdeu as eleições presidenciais do ano passado, o PSB está procurando políticos descontentes dos dois lados e pode ver sua bancada no Senado ser turbinada. Visto como terceira via pelos parlamentares insatisfeitos com os caciques de suas siglas ou constrangidos com o pacote de ajuste fiscal do governo e os desdobramentos da Operação Lava Jato, o partido do ex-governador Eduardo Campos, morto em agosto de 2014, quando era o candidato do partido à Presidência, articula a adesão de senadores do PT, PSDB e PP.

ISADORA PERON, PEDRO VENCESLAU / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2015 | 02h00

A negociação mais avançada é com a petista Marta Suplicy (SP), que deve ir em maio para a sigla e pretende disputar a Prefeitura de São Paulo no ano que vem pela nova legenda. No campo oposto, a senadora tucana Lúcia Vânia (GO) também está próxima do PSB. Após desentendimentos com o PSDB, ela já consultou o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber se perderia o mandato caso optasse por mudar de legenda.

A regra do tribunal sobre a perda de mandato de senadores que pretendem trocar de partido não é clara, mas o entendimento atual é que o Parlamentar mantém o mandato por se tratar de eleição majoritária.

Aliados de Lúcia Vânia contam que o deputado Marcos Abrão, sobrinho dela, é presidente do PPS no Estado. Se ela for para o PSB, poderia unir forças das duas legendas e ganhar projeção como liderança política em Goiás. A insatisfação dela com os tucanos começou quando o senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB, vetou o convite feito pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para que a senadora assumisse uma vaga na Mesa da Casa.

Outros nomes também foram sondados pelo PSB: os petistas Paulo Paim (RS), Walter Pinheiro (BA) e Delcídio Amaral (MT), além da senadora do PP gaúcho Ana Amélia. Os senadores confirmam as conversas, mas dizem que, agora, não pretendem mudar de legenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.