Desarticulada no DF organização ligada a Cachoeira

A Polícia Civil do Distrito Federal desarticulou, na manhã desta sexta-feira, na Operação Jackpot, uma organização criminosa, comandada pelos irmãos Quiroga, ligada ao bicheiro Carlinhos Cachoeira. Entre os presos está Raimundo Washington de Souza Quiroga, um dos chefões da exploração de jogos ilegais no Distrito Federal, que havia sido preso na Operação Monte Carlo, em fevereiro passado, mas libertado por habeas corpus concedido pela Justiça. Também foram presos Otoni Olímpio Junior, sobrinho de Raimundo, e Bruno Gleidson Soares Barbosa.

VANNILDO MENDES, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 11h54

Estão sendo procurados, ainda, outros dois operadores da jogatina. Um deles é Antonio José Olímpio Naziozeno, que igualmente já havia sido preso na Operação Monte Carlo, junto com Cacheira.

Segundo o diretor-geral da Polícia Civil do DF, Jorge Luiz Xavier, a família Quiroga voltou a operar no esquema de jogos ilegais no DF, no dia seguinte após ser libertada. "Isso mostra o nível de ousadia sem limites de uma organização criminosa que afronta o Estado, em plena capital da República", afirmou o diretor-geral.

Segundo a Polícia Civil, o esquema possuía uma rede de inteligência ativa para monitorar os passos da Polícia e assim agir livre de repressão. A Polícia também informou que com a prisão desse grupo fica enfim desarticulado o esquema remanescente da organização comandada por Cachoeira no DF.

Os dados da operação serão enviados para o Congresso Nacional, para a CPI do Cachoeira, o Ministério Público e o Poder Judiciário ao qual foi pedida a prisão preventiva de todos os envolvidos. "O Estado precisa abrir os olhos e combater com energia esse tipo de organização e evitar a impunidade. Não se trata de meia dúzia de exploradores de jogatina, mas de uma gente ousada que enfrenta o Estado brasileiro", concluiu Xavier.

Tudo o que sabemos sobre:
prisãoDFJackpotCachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.