Derrota faz parte do jogo democrático, diz Genoino

O presidente nacional do PT, José Genoino, afirmou hoje que a derrota do governo ontem na votação do reajuste do salário mínimo no Senado faz parte do jogo democrático. "O PT encara a derrota e a vitória como parte do jogo democrático. Tem a tranqüilidade de que fez tudo que estava a seu alcance na Câmara e no Senado para aprovar o salário mínimo defendido pelo governo", observou em entrevista ao site do partido na internet, ressaltando a importância da "sustentabilidade" das contas públicas.Ontem à noite, os senadores impuseram mais uma derrota ao governo Luiz Inácio Lula da Silva ao aprovarem, por 44 votos a 31, o destaque do PFL à medida provisória que estabelece o valor de R$ 275 para o salário mínimo. Caberá agora à Câmara dos Deputados a decisão de manter o novo mínimo ou recompor os R$ 260 propostos pelo governo. Se a Casa aprovar o novo valor, o presidente Lula ainda poderá vetar a proposta da oposição.Genoino disse também que os três senadores petistas - Paulo Paim (RS), Flávio Arns (PR) e Serys Slhessarenko (MT) -, que não seguiram a orientação da bancada, não serão transformados em vítimas e que os militantes saberão reconhecer os parlamentares que têm projetos pessoais e os que estão compromissados com a defesa do governo Lula."Quanto aos três senadores que votaram na proposta do PFL, e é assim que deve se dizer, não vamos valorizá-los e nem transforma-los em vítimas. O partido tem de deixar que o processo vá decantando, para ver quem tem projeto individual e que tem projeto coletivo na defesa do governo Lula", comentou o presidente do PT. "Temos ainda muitas batalhas pela frente e temos coisas mais importantes para cuidar", disse.De acordo com Genoino, apesar no ano de disputa eleitoral, a questão central para o PT é a garantia do desenvolvimento econômico brasileiro. "O PT tem de manter a cabeça erguida em defesa do governo, trabalhando nas tarefas de incentivar o desenvolvimento econômico do País, que é a questão central, além de disputar para ganhar as eleições de 2004", complementou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.