Divulgação
Divulgação

Deputados 'vedaram' discussão sobre denúncia contra Cunha, diz PSOL

'Criou-se um pacto espúrio de silêncio, inclusive de parte da maioria das lideranças, de omitir o assunto', afirmou o líder da bancada, deputado Chico Alencar (RJ)

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2015 | 16h02

Brasília - Parlamentares do PSOL acusaram nesta tarde o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e seus aliados de terem "vedado" a discussão na Casa sobre a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF).

"Criou-se um pacto espúrio de silêncio, inclusive de parte da maioria das lideranças, de omitir o assunto", concluiu o líder da bancada, deputado Chico Alencar (RJ). O PSOL acredita que Cunha cancelou a sessão de debates desta quinta para evitar que outros parlamentares viessem à tribuna falar sobre a denúncia e pedir seu afastamento.

Ele cobrou uma explicação em plenário do peemedebista. "Está acontecendo há exatamente uma semana algo grave e inédito neste Parlamento. O procurador-geral apresentou uma denúncia robusta contra o presidente. De maneira inédita, um denunciado não se manifestou minimamente sobre isso no plenário e era obrigação elementar ir à tribuna na primeira vez após a denúncia", disse Alencar.

O líder disse que o silêncio na Casa lembra o "silêncio da máfia". "Parece que há um mar de cumplicidades e de temores", afirmou. Alencar reclamou que Cunha virou as costas quando foi confrontado sobre a denúncia e questionou a viagem do peemedebista para os Estados Unidos. "Como se nada tivesse acontecendo, lá vai o presidente numa comitiva para representar o Parlamento brasileiro numa reunião nos Estados. Parece que deviam ir para a Disney, porque lá é um parque de diversões e um mundo encantado onde a vida real não chega", provocou.

Hoje foi divulgado o manifesto com 35 assinaturas de deputados que pedem a saída imediata de Cunha da Presidência da Casa, mas não há na lista nenhum parlamentar do PSDB, do Solidariedade e do DEM. Do PMDB, só há o apoio do deputado Jarbas Vasconcelos (PE). O PSOL, que encabeça o movimento, acredita que deve crescer o apoio em favor da saída do peemedebista.

O partido promete buscar o apoio de entidades civis para aumentar a pressão sobre Cunha e acabar com o "silêncio de cemitério". "Eu chamaria o silêncio de silêncio ensurdecedor", completou o deputado Ivan Valente (PSOL-SP). Membro da CPI da Petrobrás, Valente criticou a "blindagem" da comissão sobre a investigação de políticos.

O deputado apresentou nesta tarde um requerimento de acareação entre o doleiro Alberto Youssef e o operador do PMDB, Fernando Soares, mas, sem quórum, o requerimento não foi aprovado. "A cúpula da CPI esvaziou (a sessão). Nós conseguimos colocar o requerimento extrapauta, mas o presidente (Hugo Motta) votou em dois minutos para impedir o quórum dessa acareação", disse Valente.

No início da entrevista do PSOL, o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), concluía sua conversa com os jornalistas. Questionado sobre a saída de Cunha, Guimarães evitou o confronto com o peemedebista. "O governo evidentemente não vai se manifestar sobre isso. O governo tem uma questão que para ele que é fundamental, que é a justiça, o trânsito em julgado, é o direito ao contraditório."

Apuração interna. Questionado sobre futura representação no Conselho de Ética, Alencar disse que o PSOL ainda não entrou com o pedido de investigação porque não quer correr o risco de haver rejeição preliminar, já que o STF ainda não aceitou a denúncia da PGR contra Cunha. "O Conselho será acionado tão logo o Supremo faça a mínima manifestação", respondeu. Segundo o parlamentar, o pedido já está sendo preparado "com muito esmero". 

Sobre outros parlamentares já citados na Operação Lava Jato, Alencar afirmou que o partido já pediu a abertura de sindicância sobre todos os investigados e que até hoje a Corregedoria não se manifestou. "O pacto de silêncio já era preliminar lá na Corregedoria. É mais um episódio degradante", comentou Alencar./COLABOROU CARLA ARAÚJO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.