Deputados vão discutir no plenário salários dos parlamentares

Terminou sem valor definido para o salário dos parlamentares a reunião dos líderes partidários com a Mesa da Câmara. Os deputados fizeram um acordo de procedimento e todos os valores serão debatidos no plenário da Câmara. A primeira votação vai decidir se acabará ou não a verba indenizatória de R$ 15 mil e a segunda se haverá ou não o reajuste neste ano. Se houver, a discussão será, além disso, sobre o valor. Também será definido em votação a extinção ou não dos 14.º e 15.º salários. "Isso é conseqüência de uma avaliação política sobre os últimos dias e cada um agora vai externar a sua posição", afirmou o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). A discussão será levada nesta quarta-feira para votação em plenário. O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), afirmou, após a reunião, não ver problemas em rever a decisão da semana passada de aumentar os salários dos parlamentares para R$ 24,5 mil. O aumento foi vetado na terça-feira pelo Superior Tribunal Federal (STF) e foi alvo de protestos. "O problema é quando você erra e persiste no erro. Se você apresenta uma proposta e ela tem que ser corrigida, não vejo problema. Eu vejo problema quando as pessoas não aprendem com os erros", disse Aldo, de acordo com a Agência Brasil, após ser questionado se a decisão das mesas diretoras da Câmara e do Senado foi um erro. O Senado desistiu de realizar a reunião de sua Mesa e vai esperar pela decisão da Câmara. Muitos dos críticos que contestavam o reajuste máximo concordam com o valor intermediário. O decreto legislativo específico que será proposto, instrumento que embasará o aumento, pode ser votado no plenário da Câmara ainda nesta quarta-feira, devendo ser apreciado pelo plenário do Senado em seguida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.