Deputados trocam ofensas em plenário

Os deputados José Lourenço (PMDB-BA) e Paulo Magalhães (PFL-BA) trocaram ofensas no plenário da Câmara, repetindo, com mais veemência, o embate verbal que tiveram na sessão de ontem. Lourenço novamente atacou o presidente do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), acusando-o de ter subjugado a bancada do PT na Assembléia Legislativa baiana, na sessão de ontem, por intermédio de correligionários dele. Ontem, Lourenço havia responsabilizado ACM pela gravação clandestina de conversas dele e de outros deputados baianos que trocaram o PFL pelo PMDB no fim do ano passado. A troca acabou dando ao PSDB a condição de bancada majoritária no dia 15 de dezembro do ano passado, data em que foi feita a aferição para definir qual partido teria o direito regimental de indicar o futuro presidente da Câmara. De acordo com reportagem da revista Veja, que reproduz trechos das conversas gravadas, existe a suspeita de que os deputados tenham recebido vantagens financeiras para trocar de partido. Paulo Magalhães tomou as dores do tio (ACM) e ofendeu Lourenço, chamando-o de gatuno. Lourenço retrucou e o corregedor da Câmara, deputado Severino Cavalcanti (PPB-PE), pediu para que as palavras mais grosseiras fossem retiradas das notas taquigráficas da sessão de hoje da Câmara. Entretanto, o deputado Milton Temer (PT-RJ) invocou o regimento interno para exigir que as palavras fossem mantidas e que a presidência da Câmara tomasse providências disciplinadoras contra os deputados para que não se reproduza, na Câmara, o clima que há no Senado desde que ACM e o presidente do PMDB, senador Jáder Barbalho (PA), se acusaram mutuamente de corruptos e ladrões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.